quinta-feira, 22 de novembro de 2012

FAO oferece 'ajuda sustentável' ao Haiti para desenvolvimento

AFP



ROMA — O diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano, reuniu-se nesta quinta-feira, em Roma, com o presidente do Haiti, Michel Martelly, a quem ofereceu "ajuda sustentável" para o desenvolvimento daquele país, um dos mais pobres e devastados das Américas.

O diretor da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) assegurou que a entidade, presente há anos no país do Caribe, entende "mudar a ação de emergência pelo desenvolvimento", afirmou.

"O Haiti vive uma situação de emergência continua, assim que o que se deve dar é ajuda sustentável. Redesenhar os programas para que sejam mais sustentáveis a médio e longo prazos", afirmou Graziano à margem do encontro.

Martelly, que concluiu na Itália um giro europeu iniciado há oito dias na cúpula Ibero-americana de Cádiz (Espanha), acertou com Graziano fazer um apelo à comunidade internacional para que aporte 74 muilhões de dólares nos próximos doze meses para reativar o setor agrícola devastado em outubro pelo furacão Sandy.

O presidente haitiano, que foi recebido pela manhã em audiência privada pelo papa Bento XVI, afirmou ter aproveitado sua visita à Europa para apresentar a "nova cara" do Haiti, "desconhecida, menos triste, meta para investimentos e turística", afirmou.

"Venham ver, venham nos visitar, venham investir. Há muito por fazer", disse.

Martelly afirmou, ainda, que seu país está assumindo "suas responsabilidades" e que quer, sobretudo, "receber investimentos".

O presidente caribenho, de 51 anos, que assumiu a Presidência em maio de 2011, ilustrou brevemente os feitos em educação, combate à fome, corrupção, migração e desemprego e insistiu na necessidade de atrair os investidores estrangeiros como a melhor forma de tirar seu país da pobreza.

Depois do terremoto que deixou, em janeiro de 2010, mais de 300 mil mortos e um milhão e meio de pessoas sem casa e de vários desastres naturais ocorridos no período de pouco meses este ano, o chefe de Estado haitiano se diz otimista.

"Minha mensagem foi bem recebida por todos os lados, têm me escutado, inclusive no Parlamento Europeu fui recebido com ovações", comentou.
Postar um comentário