segunda-feira, 28 de maio de 2012

OS ZUMBIS - CONSCIÊNCIA CORRUPTA E CORRUPTÍVEL

A Colunista Sonia Regina Lunardon Vaz propõe uma reflexão sobre Zumbificação nos tempos modernos, como um processo psico-social, contribuindo com uma pesquisa histórica que nos ajuda a conhecer um pouco melhor a respeito desse fenômeno místico-religioso tão presente na história e realidade haitiana.
Se você se interessa por reflexões de cunho filosófico e social rebuscadas, vale a pena acessar o site original e ler o artigo na íntegra. Muito bom!

Colunistas - Bonde

As histórias de zumbis têm origem no sistema de crenças espirituais do Vodu afro-caribenhos, que contam sobre trabalhadores controlados por um poderoso feiticeiro. O ser humano morto volta à vida com o intuito maligno de servidão ao seu invocador.

Um zumbi é uma criatura fictícia que aparece nos livros e na cultura popular como um morto que foi reanimado pela religião Vodu ou um ser humano irracional.

O conceito, nascido na década de 60, ganhou grande popularidade ao longo dos anos, servindo de tema para incontáveis filmes, seriados, livros, histórias em quadrinhos, videogames e outras obras de variadas mídias.

Há mesmo os que acreditam na concretização de tal cenário, e preparam-se para sua suposta chegada constituindo-se no Apocalipse Zumbi, cultuado e aguardado trata-se de uma infestação de zumbis numa esfera catastrófica tornando-os dominantes sobre a Terra. Hostis à vida humana, rapidamente atacariam a civilização em proporções esmagadoras, causando a "Praga Zumbi" por que a pessoa que foi atacada, através da contaminação, também transformar-se-ia num morto-vivo.

O filósofo David Chalmers na metade da década de 1990 cunhou um conceito utilizado em Filosofia da Mente, campo de pesquisa que examina a associação entre pensamento consciente e o mundo físico, o "zumbi filosófico", trata-se da pessoa que não possui consciência plena, mas que possui biologia e comportamento de um ser humano normal.

Já em 1937, a pesquisadora Zora Neale Hurston, no Haiti, verificou um caso de psicose que possuía todas as características de uma possessão zumbi.

Na década de 80, também em pesquisa no Haiti, o etnobotânico Wade Davis, verificou que se utilizando de algumas drogas era possível provocar um estado dissociativo, uma psicose induzida pela droga, muito semelhante ao zumbi. Essas pessoas passavam a serem vistas vagando por cemitérios num estado de zanga e depressão.

Em seu livro "O Eu Dividido" - (The Divided Self, 1960), o psiquiatra britânico Ronald David Laing, equipara a doença da esquizofrenia, em seus primeiros estágios, com o processo de "zumbificação".

(Continua no site)
Postar um comentário