sábado, 31 de março de 2012

History of Christianity and missions in Haiti

Aid for Haiti

A Brief History of Christianity and Missions in Haiti

Its been said that Haiti is 70% Catholic, 20% Protestant, and 100% Voodoo. While this may be true it only partially tells a riveting story. The story of God working throughout the history of Haiti to spread the life saving message of his son is an utterly fascinating one. The following is a non-experts attempt to tell part of this story.

During Haiti’s early history the Spanish and French both imported slaves from Africa to maximize productivity on the sugar plantations in the colony of Saint Dominique, modern day Haiti. As slaves arrived in the “new world”, they were exposed to new Catholic doctrine and belief. Many adopted aspects of the new catholic practice and combined it with their traditional African spiritualist beliefs, voodoo. Voodoo comes from the Fon language of Benin, West Africa, and means “spirit.” [1] Throughout the early history of Haiti, the slaves endured tremendous hardships at the hands of their captors. As time went on, the slaves african spiritualist beliefs became more a point of pride as Catholicism was increasingly viewed as the religion of the brutal slave holders. Voodoo became a means to communicate and organize to fight for their independence. This peaked during an infamous event in in 1791. According to Haiti’s official bicentennial website the Haitian revolution began on a night in 1791 when “A man named Boukman … organized a meeting with the slaves in the mountains of the North. This meeting took the form of a Voodoo ceremony in Bois Caiman in the northern mountains of the island. It was raining and the sky was raging with clouds; the slaves then started confessing their resentment of their condition. A woman started dancing languorously in the crowd, taken by the spirits of the loas. With a knife in her hand, she cut the throat of a pig and distributed the blood to all the participants of the meeting who swore to kill all the whites on the island.” The revolution that began on this night ended in 1804 with the formation of the world first free slave republic.

Soon after the revolution in Haiti, all foreign priests in the Haitian catholic church fled and Rome cut off all relations. This allowed the early Haitian catholic church to form and change without oversight from the outside church. This in addition to the ritualistic aspects of Catholicism has helped voodoo become pervasive throughout Haitian Catholicism and is why the two often appear to co-exist so easily in a system of religious pluralism. [2] For example, today, many Roman Catholic symbols and prayers have blended with voodoo rituals and traditions to make for a unique and typically Haitian religion. Pictures of Catholic saints are painted on the walls of temples to represent the voodoo spirits; at funerals, it is not uncommon that voodoo ceremonies and rituals be performed for family members first, followed by a more public traditional Roman Catholic ceremony presided over by a priest.” [3]

Soon after the revolution Haiti found itself very isolated politically, racially and religiously from the rest of the world. Early leaders feared that voodoo would further alienate them from the developed world. So, the Constitution of 1807 made Roman Catholicism Haiti’s official religion stating that no other religion (including Voodoo) could be practiced in public. Later, Haiti reestablished relations with the Vatican in 1860 and power over the church in Haiti transferred once again to Europe. All the while influential Haitian voices like Louis Joseph Janvier, insisted Catholicism was an oppressive colonial power and a threat to Haiti’s autonomy. He advocated for the establishment of Protestantism on the grounds that it could be controlled internally rather than by Europe. [4] He did not see voodoo as a solution to Haiti’s problems, and rather saw Protestantism as a means to modernize Haiti, as it encouraged pragmatism and self reliance. [5]

During this time, a few of Haiti’s first protestant missionaries began to arrive. The first protestants missionaries were with the English Wesleyan Mission when a handful of british methodist pastors arrived in 1806. The first American missionary was a Baptist, Thomas Paul, the son of freed slaves from Exeter, New Hampshire. Paul sailed into Cape Hayti (later Cap Haitien) in 1823 with crates of Bibles and tracts, and for six months he preached, baptized, and laid the groundwork for the establishment of the First Baptist Church there. [7] The Episcopal church was introduced in Haiti in 1861 by a group of 110 African-Americans immigrants to Haiti. They established many churches and schools, including St. Vincent School, for many years, the only school for special needs children in Haiti. The adventists arrived later in 1879, Assemblies of God (1945), Nazarean Church (1948), Salvation Army (1950), Pentecostal church (1962), Mennonite Church (1966) and Church of God (1969). [6] The work of the missionaries was initially focused in the larger cities where they found it tough to make any inroads because catholicism had been so deeply entrenched for many years. At the time, Catholicism thrived in urban areas because the majority of the education available was through Catholic schools and typically served the elite and wealthier populations. Protestants failed to gain much ground in urban areas, and thus focused their energies and attentions on poorer, rural areas with remarkable success.

One of the most significant events in in the Haitian church happened in the early 20th century. For many years people from southern Haiti has been emigrating into Cuba and being hired on as farm labor in large sugar cane plantations. At the time, the evangelistic efforts of missionaries was far greater in cuba than in Haiti. Many Cubans had accepted Christ and were traveling the countryside forming churches and evangelizing the people there. In the process many Haitians came to hear of Christ for the first time. After a number of years the Cuban government began cracking down on the Haitian immigrants coming into Cuba. Thousands were deported back the their home in southern Haiti. After deportation these new Christians set to work sharing the gospel throughout the cities and countryside with great success. Evidence of this exists still with some of the highest concentrations of evangelical and protestant believers in Haiti being in the south of the country, where this outreach was initially done. Much of the initial indigenous effort in evangelism was born of this event, as Christianity spread from south to north over the ensuing years. Foreign protestant missionaries began to make significant inroads into Haiti during the same time periods which coincided with the US military occupation of Haiti from 1915-1934. During this time, the rural parts of Haiti began to have its first direct contact with the western world. Soon after the soldiers arrived, missionaries also began to settle in these areas also. Many of these protestant missionaries brought to the disadvantaged in these areas things some had never had, namely, a steady supply of food, clean water, medical care and education badly needed at the time. This helped the message spread rapidly throughout the rural areas. Through both indigenous and foreign missionary means the message of Christ propagated rapidly through Haiti during the fist half for the 20th century.

As the 20th century moved on, protestant missions in Haiti, especially rural Haiti, found a strange supporter. It was in fact championed by the infamous dictator Francois Duvalier, the first pro-voodoo, pro-peasant, black nationalist president. During this time, new fears of cultural imperialism and racism began to foster a reaction against continued foreign influence. Catholicism embodied this fear with thier centralized foreign power structure. Duvalier viewed the rise of Protestantism as help to break the power of the foreign dominated Catholic Church. Duvalier also supported the influx of Protestants because Protestants did not pose any immediate threat to him. Protestants were seen not only as apolitical and unwilling to interfere in political affairs, but they were eager to bring development and aid into the country as well. [8] While using christianity for his own ends, Duvalier continued to encourage voodoo also. Throughout his reign, he used the houngans (voodoo priests) to control the rural communities his personal army (the tonton macoutes) could not police. This was done through fear and intimidation, encouraging threats of voodoo spells and enchantments. The effects and continued use of these fear tactics are a major driver in the lives of the people of the Haitian countryside still today.

Over the last 25 years, since the fall of the Duvalier regime, the religious landscape of Haiti has continued to change. A subversive grassroots group of Catholics called “Ti Legliz” developed to help oust the Duvaliers. This group among many others of the period (early 1990s) championed “Liberation Theology“ coming out of Central America and were far more political than religious. This movement drew widespread support from both the rural and urban poor and prepared the political landscape for the emergence of former Catholic priest, Jean Bertrand Aristide, and his political party, Lavalas (“The Flood”), who came to dominate the political landscape. During his reign, voodoo was for the first time given equal standing as official religion of the country. Some believe Aristide did this due to a personal belief in voodoo, while other believe this decision was purely political. It is clear spiritualism in the form of voodoo remains the dominant world view and lens through which Haitians view all aspects of life.

Through the disastrous hurricane seasons of 2004 and 2008 and the earthquake of January 2010 the message of the gospel of Jesus Christ has been dramatically spread. It remains to see what the long term impact of these events is for the Gospel.

[1] Civan, Michele Burtoff, The Haitians: Their History and Culture, 22.

[2] Richman, Karen, “The Protestant Ethic and the Dis-Spirit of Voodoo” Immigrant Faiths: Tansforming Religious Life in America. Edited by Karen I Leonard, Alex Stepick, Manuel Vasquay and Jennifer Holdway, 166.

[3] Zachary, Casey : A Brief History in the Development of Religion in Haiti, www.realhopeforhaiti.org

[4] Richman, Karen, “The Protestant Ethic and the Dis-Spirit of Voodoo” Immigrant Faiths: Tansforming Religious Life in America. Edited by Karen I Leonard, Alex Stepick, Manuel Vasquay and Jennifer Holdway, 170.

[5] Civan, Michele Burtoff, The Haitians: Their History and Culture, 53.

[6] About Haiti: HaitiChristianity.org

[7] Lundy, Eleanor, Mission in the Footsteps of Peter and Paul, Serving Christ and the People of Haiti for 180 Years. Journal of the Bahamas Historical Society. Nov/Dec 2004.

[8] Rickman, Karen, “The Protestant Ethic and the Dis-Spirit of Voodoo,” 171

Thanks goes to Casey Zachary from real hope for Haiti where much of this article comes from.

Missionário da terra haitiano em promoção no Brasil

JMM - Missões Mundiais
Por Willy Rangel 30 de março de 2012
 
Está no Brasil para um período de promoção o Pr. Esaïe Granvil, missionário da terra no Haiti. Granvil viajou ao país a convite de Missões Mundiais para compartilhar com os irmãos brasileiros a situação do Evangelho em sua terra natal.

O missionário falou também sobre como Missões Mundiais colabora para o desenvolvimento do trabalho batista no país em uma entrevista exclusiva.

Como Missões Mundiais ajuda o trabalho missionário no Haiti?

O Haiti é um país pobre, e os líderes precisam de formação. A Conexão Batista Haitiana (convenção batista do país) forma esses líderes, mas não temos condições financeiras suficientes, por isso Missões Mundiais patrocina alguns desses líderes locais. Trabalhamos em parceria.
Sendo representante dos batistas haitianos, como avalia o avanço do trabalho missionário no país?

É preciso dizer que é possível perceber uma mudança em relação ao Evangelho no Haiti. O país tem 10 departamentos (estados), e a convenção está presente em sete departamentos.
Na época do terremoto no Haiti, em 2010, houve relatos de que várias igrejas foram destruídas. Como está caminhando a reconstrução dessas igrejas pelo país?
Depois do terremoto, o mundo inteiro foi em socorro do Haiti. Várias igrejas estrangeiras, inclusive brasileiras, enviaram ajuda, e muitas igrejas foram reerguidas. Os brasileiros ajudaram a reconstruir cinco igrejas, como as de Croix-des-Bouquets e Petit-Goâve.

Haiti: Pelo menos seis mortos em desabamento causado pelas fortes chuvas

Notícias em Revista

Port-Au-Prince, 31 mar (Lusa) – Pelo menos seis pessoas morreram no Haiti, depois das suas casas terem desabado na sequência das fortes chuvas que têm atingido o país há vários dias, informou na sexta-feira a Proteção Civil.

As vítimas, entre as quais uma criança, eram membros de duas famílias e viviam num bairro erigido na colina de Petionville, nos subúrbios da capital haitiana.

De acordo com Nadia Lochard, do departamento da Proteção Civil foi difícil encontrar os corpos das três mulheres, dos dois homens e da menina devido à elevada quantidade de lama, fruto do deslizamento de terras.

sexta-feira, 30 de março de 2012

AL e Caribe reforçam compromisso de erradicar fome antes 2025 e ajudar Haiti

Notícias Terra

A América Latina e o Caribe estão "bem encaminhados" para conseguir a meta de erradicar a fome na região antes de 2025, concluiu a 32ª Conferência Regional da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), que fixou entre suas prioridades fortalecer o apoio ao Haiti.

"Não estamos atrasados em nossa meta de erradicação da fome na região. Ao contrário, estamos em um bom caminho", destacou o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

"A América Latina e o Caribe já se apropriaram da iniciativa para erradicar este flagelo. Antes era apenas um projeto financiado pela Espanha", ressaltou o brasileiro.

Em 2005, quando a Guatemala e o Brasil impulsionaram a iniciativa, apenas um país (Argentina) tinha uma lei de segurança alimentar e atualmente são oito os que contam com legislação nesse campo, acrescentou.

Ao lado do ministro de Agricultura argentino, Lorenzo Basso, o diretor do organismo concedeu uma entrevista coletiva para apresentar as conclusões da 32ª Conferência Regional da FAO, realizada a portas fechadas desde a última segunda-feira em Buenos Aires.

Graziano indicou que entre as prioridades para os próximos dois anos estará fortalecer o apoio ao governo haitiano para o desenvolvimento de projetos produtivos.

"O Haiti não é apenas um tema emergencial, mas de reconstrução de um país. É um caso exemplar da relação que há entre a segurança alimentar e a paz", afirmou.

Nesse ponto, o diretor-geral da FAO disse que o governo do Haiti declarou na conferência que o país caribenho não tem apenas um problema de recursos, mas de "coordenação" dos projetos.

"As iniciativas isoladas não servem. Devemos apoiar o governo haitiano em seus programas de segurança alimentar", enfatizou Graziano.

Entre os resultados da reunião, o brasileiro destacou que os 32 países participantes reafirmaram seu compromisso com a erradicação da fome antes de 2025 e definiram como prioridades de trabalho a segurança alimentar, a adaptação à mudança climática, o fortalecimento da agricultura familiar e a saúde e inocuidade agroalimentar.

Graziano disse ainda que houve avanços em outros cinco temas prioritários, como a cooperação sul-sul, a relação com organismos regionais, a descentralização e reforma da FAO, o compromisso para aumentar a produção de alimentos e o apoio à pesca, à agricultura e ao setor florestal.

O responsável da FAO destacou a "alta participação" registrada na reunião na capital argentina, à qual só faltou o Suriname, assim como a contribuição da sociedade civil nas deliberações de forma ativa pela primeira vez.

A pedido dos representantes da sociedade civil, apontou, a Conferência Regional acertou iniciar um processo de debate sobre a soberania alimentar, conceito que "já está incorporado em leis de diferentes países da região como o Equador, Nicarágua e Venezuela".

Basso, por sua vez, comentou que nos debates foi abordado o aumento e a volatilidade dos preços dos alimentos e foi iniciada uma discussão sobre a "estrangeirização" de terras, assunto sobre o qual foi acertada a formação de um grupo que se encarregará de reunir as experiências sobre normas desse campo.

Nas deliberações, o Brasil se comprometeu fazer um investimento de US$ 20 milhões adicionais em sua cooperação com a FAO e foi assinado um acordo de cooperação em segurança alimentar com a Associação Latino-Americana de Integração (Aladi).

A próxima Conferência Regional da FAO ocorrerá no Chile em 2014.

Mulheres são suporte na reconstrução do Haiti

MUNDO
Caraíbas

Texto Cristina Santos | Foto Lusa | 30/03/2012 | 11:55



Centros comunitários vão formar 19 mil pessoas para a reconstrução das habitações destruídas pelo terramoto de 2010. Haitianas recebem um vale no valor de 375 euros para a compra de material de construção


O Haiti está a formar os seus cidadãos para que sejam capazes de chefiar a reconstrução das suas próprias casas que foram destruídas ou danificadas pelo violento sismo de janeiro de 2010, que devastou grande parte do país, adianta a Rádio ONU.

Centros comunitários que apoiam a reconstrução de habitações vão formar 19 mil pessoas para o desenvolvimento das tarefas necessárias. Uma das atividades consiste em pintar paredes. Mais de metade são mulheres. Atualmente, perto de metade dos lares haitianos são chefiados por mulheres.

As haitianas recebem um vale no valor de 500 dólares (375 euros) para a compra de material de construção. As transferências são efetuadas através dos telemóveis. Segundo a mesma fonte, a reconstrução da ilha recai sobre as famílias e as comunidades. Mais de oito mil famílias inscreveram-se nesta iniciativa.

quarta-feira, 28 de março de 2012

ONU alerta para falta de verbas humanitárias no Haiti

Reuters 
A ONU alertou nesta terça-feira que a falta de verbas para o Haiti está levando à redução dos serviços prestados por agências humanitárias num dos países mais pobre do mundo, colocando centenas de milhares de desabrigados em risco. O Haiti recebeu no ano passado menos de metade dos 382 milhões de dólares solicitados em ajuda humanitária, e até agora menos de 10 por cento do apelo de 231 milhões de dólares encaminhado para 2012, disse em nota Nigel Fisher, coordenador humanitário da ONU no Haiti.

"(A escassez de verbas) ameaça reverter os ganhos alcançados na luta contra a cólera por meio da promoção de práticas sanitárias e de higiene", afirmou ele. "Ameaça a própria existência de centenas de milhares que vivem em acampamentos." O Haiti ainda luta para se re-erguer depois do terremoto que matou cerca de 300 mil pessoas e deixou mais de 1,5 milhão de desabrigados, em janeiro de 2010. Apesar dos bilhões de dólares prometidos por doadores estrangeiros, a reconstrução continua lenta, com sinais apenas incipientes de progresso.

"Quase meio milhão de pessoas ainda vive em acampamentos, expostas a surtos de cólera e a riscos de inundações que serão exacerbados pela chegada da temporada de chuvas e furacões, de maio a novembro", disse o dirigente da ONU.

Uma epidemia de cólera contaminou mais de 500 mil pessoas e matou mais de 7.000 desde outubro de 2010. Alguns haitianos acusam soldados nepaleses da ONU de terem introduzido a doença no país, ao despejarem esgoto em um rio.

O presidente Michel Martelly disse em janeiro que mais de 8 milhões de haitianos vivem sem eletricidade, 5 milhões são analfabetos, e 80 por cento da população subsiste com menos de 2 dólares por dia.

"O governo do Haiti e seus parceiros humanitários expressam sua profunda preocupação com a falta de recursos financeiros à sua disposição para a continuidade das operações humanitárias e para a resposta a desastres repentinos", afirmou Fisher. "Essa escassez de recursos está restringindo sua capacidade de oferecer plenamente serviços na linha de frente."

De acordo com Fisher, a comunidade humanitária precisaria urgentemente de 53,9 milhões de dólares para o período de abril a junho, a fim de proteger quem vive em acampamentos e oferecer serviços como água potável, alimentação, segurança e combate à epidemia de cólera, entre outras coisas.

O Brasil lidera a Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah), com o maior contingente de militares estrangeiros no país, 2.100 homens.

terça-feira, 27 de março de 2012

ONU confirma brasileiro como novo chefe da missão de paz no Haiti

Mundo | Notícias | Nota | D24am.com

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, confirmou o nome de Goulart como chefe da missão.

Brasília – O militar brasileiro Fernando Rodrigues Goulart será o novo comandante da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah), em substituição ao major general Luiz Ramos. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, confirmou o nome de Goulart como chefe da missão.

Ki-moon elogiou Ramos por sua "dedicação, profissionalismo e liderança, críticos para os esforços de estabilização no Haiti". Em comunicado, a ONU informou ainda que Goulart é um profissional de"carreira militar distinta, detendo numerosos comandos e posições hierárquicas sênior".

O novo comandante da Minustah foi observador militar da missão da ONU em Moçambique, conhecida pela sigla Onumoz, em 1993, e mais recentemente no Nepal. De 2008 a 2010, ele trabalhou no Departamento de Operações de Manutenção de Paz da ONU, como oficial de ligação sênior na divisão Europa e América Latina.

A Minustah foi criada em 2004 e, desde o começo, as tropas da ONU são lideradas por um oficial brasileiro. Além disso, o Brasil sempre colaborou com o envio de militares para integrar as forças de paz. Até o momento, não há ainda a definição de prazos para a retirada dos militares estrangeiros do Haiti. A comunidade internacional colabora com o governo do presidente haitiano, Michel Martelly, para a reconstrução do país.

Acordos e projetos concretos fortalecem laços dominicano-haitianos

Noticias de Prensa Latina


Santo Domingo, 27 mar (Prensa Latina) Ao finalizar a visita oficial do presidente haitiano, Michel Joseph Martelly, à República Dominicana, seu homólogo Leonel Fernández defendeu o fortalecimento dos vínculos de amizade e cooperação entre ambas nações.

O chefe de Estado dominicano destacou o reconhecimento com a ordem de Duarte Sánchez e Mella, no grau de Grande Cruz Placa de Ouro, que outorgou ao governante haitiano.

Segundo Fernández, o Haiti está superando sua instabilidade política e dirige-se para um Estado democrático de direito, uma das grandes aspirações do presidente Martelly.

Neste momento -agregou-, enfrenta os desafios da reconstrução do Haiti, agora olhando para o longo prazo com uma agenda de desenvolvimento binacional, por isso acha que há motivo de celebração no dia de hoje.

Ao agradecer a Fernández a distinção, Martelly disse estar duplamente emocionado, pois é a primeira condecoração feita pela República Dominicana e que recebe das mãos de irmãos e amigos.

Fez um reconhecimento a seu homólogo dominicano por sua vontade e compromisso de desenvolver não somente o Haiti, mas a ilha completa.

Esse compromisso fez-se efetivo nas iniciativas tomadas por Fernández na comissão bilateral, por sua presença quando ocorreu o terremoto no Haiti, pela Universidade de Limonade, pela oportunidade que nos dá para formar outras gerações, essa solidariedade é a que buscamos, a amizade sincera, sublinhou Martelly.

A delegação haitiana esteve representada pelos ministros de Relações Exteriores e Cultos, Laurent Lamothe; do Interior, Thierry Mayard-Paul; de Agricultura, Hebert Docteur; de Planejamento, Jude Herve Day; e de Meio Ambiente, Joseph Ronald Toussaint.

Também integraram a comitiva o senador pelo Departamento do Sul-Leste, Joseph Lambert; entre outros.

Após despedir-se de Martelly e da delegação haitiana, o presidente Fernández ressaltou que a reunião da Comissão Mista Bilateral tem um significado diferente, porque se elaborou uma série de projetos de muito benefício para ambas nações.

Em tal sentido, mencionou o tema migração, comércio, investimento, meio ambiente e o setor produtivo, especialmente agropecuário e segurança na fronteira.

Detalhou que durante a visita de Martelly foram assinados seis protocolos nas referidas áreas e se criou o Fundo Bolivariano de Solidariedade para financiar muitos destes projetos.

Será iniciará com um projeto de eliminação do uso do carvão vegetal para cozinhar e o substituir por botijões de gás liquefeitos, para avançar em um projeto de preservação da floresta, acrescentou o presidente.

Outro é relativo à reforma de uma represa e à construção de outra em Artibonito, à construção de quatro hospitais em cidades fronteiriças com a República Dominicana, do nosso lado, em Jimaní, Dajabón, Elías Piña e Pedernales e do lado haitiano, Malpasse, Belladere, Anse la Pitre e Juana Méndez.

Um hospital que possa cobrir as necessidades, mantendo o tema de saúde como tema prioritário e evitar na República Dominicana e do lado haitiano a dengue, a malária, o HIV/Sida, indicou.

Fernández revelou que tratou com seu homólogo haitiano temas de interesse mútuo e que foram assinados acordos de entendimento para continuar abordando-os com maior profundidade.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Edição Especial: Haiti - Revista Missionária A Colheita

A JMM lançou uma edição especial da Revista Missionária "A Colheita" no referente aos meses de Março e Abril de 2012 - Ano IX - Nº 44. Não deixe de conferir na íntegra acessando a Revista Online em:

ESPECIAL HAITI - A COLHEITA

sábado, 17 de março de 2012

Convenção Batista Acreana pede ajuda para as vítimas das enchentes

Pr. Ivanildo Oliveira
Presidente da Convenção Batista Acreana

Amados irmãos, graça e paz!

Peço que todo o povo batista interceda pelo Estado do Acre neste momento de calamidade pública. Com as chuvas, vieram consequências desastrosas para vários municípios.

Algumas igrejas batistas da capital e outras do interior estão debaixo d’água. Gostaria que os amados irmãos intercedessem, publicassem estas informações e também, se possível, nos enviassem doações como roupas, material de limpeza, fraldas descartáveis, leite em pó e alimentos não perecíveis.

5.230 pessoas desabrigadas estão alojadas em abrigos da Prefeitura, sendo 1.366 famílias; 1.897 pessoas foram retiradas pela defesa civil e alojadas em casas de amigos ou parentes (662 famílias); um total de mais de 6.000 pessoas desabrigados em Rio Branco. Foram 14.300 imóveis atingidos, 57.264 pessoas atingidas pela água.

Vamos juntos orar pelo Acre.


Todas as doações devem ser enviadas para:
Convenção Batista AcreanaRua Gaivota I, nº 82Conj. Ouricuri – PlacasCEP 69903-236 - Rio Branco - Acre

República Dominicana: Assinado acordo de 42 ME com a UE para promover cooperação com o Haiti

SIC Notícias

Santo Domingo, 15 mar (Lusa)

A União Europeia (UE) e a República Dominicana assinaram na quarta-feira um acordo de 42 milhões de euros destinado a promover a cooperação entre aquele país e o Haiti, principalmente na zona fronteiriça.

O acordo apoiará a cooperação bilateral nos setores do comércio, meio ambiente e desenvolvimento econômico da zona fronteiriça, pretendendo gerar receitas e emprego e reforçar a capacidade das autoridades locais.

Entre os projetos previstos está a ampliação do mercado de Dajabón, na República Dominicana, a construção de um mercado no noroeste do Haiti, a proteção das margens do rio que separa as duas nações, a reabilitação dos caminhos rurais, estudos de ordenamento urbano e ambiental.

Filtros e banheiros ecológicos são soluções inovadoras apresentadas no Fórum Mundial da Água

15/03/2012 - Ciência e Saúde - AFP


Ana María Echeverría
Em Marselha


Desde um simples filtro de água até um banheiro ecológico chamado de Peepoo, o Fórum Mundial da Água apresenta dezenas de soluções fáceis e inovadoras que podem mudar a vida de milhares pessoas que ainda sofrem com a falta de água potável e de um sistema sanitário decente.

No canto de um casebre escuro de um bairro marginal que poderia estar no Rio de Janeiro, no México ou em Mumbai, mas que foi levantado no Fórum Mundial da Água de Marselha (sul da França), encontra-se um pequeno sanitário descartável que está mudando a vida de uma favela na África.

Batizado de Peepoo, o banheiro, que não precisa de água, foi desenhado por um arquiteto sueco, Anders Wilhemson, que teve a ideia de percorrer os bairros pobres de México e São Paulo, onde as pessoas fazem suas necessidades em latrinas ou no esgoto e a situação sanitária é grave.

O Peepoo é composto de um pequeno assento plástico e de uma sacola plástica biodegradável que contém em seu interior grânulos de ureia, um produto que decompõe a matéria fecal e a urina e as transforma em nutrientes.

Uma vez utilizado, o dispositivo, que foi criado pela pequena empresa sueca Peepoople AB, pode ser transformado em uma fonte de adubo, o que também ajuda a aliviar a crescente pressão sobre a água na agricultura, provocada pelo galopante aumento da população mundial.

A bolsa biodegradável, que custa cerca de três centavos de dólar, já transformou, ao menos em alguns aspectos, a vida diária dos habitantes de Kibela, um bairro marginal de Nairóbi, Quênia, que a utilizam há um ano.

"Antes os habitantes desta favela faziam suas necessidades em qualquer lugar, entre os arbustos, perto dos casebres ou em uma bolsa que, quando não aguentavam mais o mau cheiro, jogavam fora", explicou Camilla Wirseen, diretora do projeto, um dos 50 apresentados no Fórum.

Agora já não há mais cheiro ruim e os riscos de epidemia de diarreia caíram, destacou.

Neste bairro, as bolsas utilizadas são recolhidas em grandes sacolas e utilizadas depois como fertilizantes para a agricultura. Por cada bolsa que serve de fertilizante, a família recebe um centavo.

Além disso, foi organizada no bairro uma rede de vendedoras locais das bolsas biodegradáveis, e essas mulheres criaram posteriormente microempresas, que prosperam.

O dispositivo será testado no Haiti, devastado em 2010 por um terremoto. E seu criador, que quer ampliar o uso do banheiro ecológico por todo o mundo, manteve contado com vários países, entre eles Bolívia, Paquistão e Bangladesh.

Outro dos 60 projetos apresentados na "Aleia das Soluções", situada no coração do Fórum Mundial da Água de Marselha, que será concluído no sábado, é uma vasilha de cerâmica para filtrar a água, de muito baixo custo, que se baseia em práticas pré-coloniais da Mesoamérica, que foram melhoradas pelo guatemalteco Fernando Mazariego.

Chamada de "Filtrón", esta vasilha, que tem em seu coração um elemento filtrador que pode ser fabricado por ceramistas locais com materiais locais, sem necessidade de eletricidade, nem de tecnologias de alto nível, torna potável a água contaminada.

Graças a um banho de prata coloidal em seu elemento filtrante, o Filtrón elimina as bactérias, o que reduz as doenças.

Este projeto é apresentado no Fórum de Marselha por Ceramistas pela Paz, uma organização não governamental que capacita artesãos dos países em desenvolvimento, e que elaborou um processo de produção do filtro em grande escala, diminuindo seu custo.

O Filtrón, que custa entre 10 e 20 dólares, pode ajudar a facilitar o acesso à água potável, num momento em que mais de 800 milhões de pessoas no mundo não têm acesso a ela.

A ONG indicou que havia, por isso, tomado "a decisão política" de não patentear sua tecnologia, que pode ser encontrada na internet, no site da Rede de Ceramistas pela Paz.

Brasil doa mais de 4 milhões de doses de vacinas ao Haiti

Rede Noticia

O Ministério da Saúde doou, para o Haiti, 4.349.000 de doses de vacinas BCG (formas graves de tuberculose), Pólio (poliomielite), DPT (difteria, tétano, coqueluche) e DT (difteria e tétano). Deste quantitativo – que chegou na capital Porto Príncipe na última sexta-feira (9) – 1,5 milhão de doses de vacinas contra a pólio serão utilizadas na campanha de vacinação daquele país, que começa no próximo dia 21 de abril, direcionada a crianças abaixo de dez anos.

Para a aquisição destas vacinas, o Ministério da Saúde investiu 1,4 milhão de dólares, além de 54 mil dólares no transporte dos produtos, que contou com o apoio da Organização Panamericana da Saúde. A Opas também manterá as vacinas no armazém da entidade, em Porto Príncipe, para que elas sejam utilizadas sempre em condições adequadas.

Além das vacinas, o governo brasileiro tem apoiado a campanha de vacinação do Haiti com a aquisição de 500 caixas térmicas, três caminhões e de gás propano para manutenção dos refrigeradores, além de técnicos brasileiros envolvidos na organização e gestão da campanha. O Haiti é o país das Américas com menor cobertura vacinal. O esforço de aumentar esta cobertura, além de contribuir para diminuir a morbidade e a mortalidade entre a população haitiana, diminui o risco de circulação de doenças no continente americano.

AJUDA BRASILEIRA

A colaboração brasileira ao Haiti responde a uma série de demandas feitas ao governo brasileiro pelo Ministério de Saúde Pública e a população do país. Entre as ações coordenadas pelo Brasil está a construção de quatro unidades de saúde – três Hospitais Comunitários de Referência (HCR) e um Instituto Nacional de Reabilitação (INR) – além de capacitar médicos, agentes comunitários e técnicos em saúde do Haiti (leia mais ao final do texto).

Somente na construção desses hospitais e do INR, o Ministério da Saúde do Brasil está investindo 18,7 milhões de dólares, além de 5 milhões de dólares em equipamentos. Esses recursos correspondem a um crédito extraordinário aprovado para o Ministério da Saúde para uso específico no Haiti, aprovado pela Lei 12.239/2010.

As obras do Hospital Comunitário de Bon Repos já começaram e a previsão é que ele entre em funcionamento em setembro deste ano. O hospital servirá de referência para uma região com aproximadamente 150 mil habitantes que foram deslocados após o terremoto de 2010.

O trabalho conjunto do Ministério da Saúde do Brasil com o Ministério da Defesa do Haiti tem sido constante desde 2010 e ajuda a superar as grandes dificuldades no desenvolvimento de projetos naquele país.

FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Como parte das ações de fortalecimento da Saúde no Haiti, o Ministério da Saúde do Brasil oferecerá, a partir do próximo mês, curso de formação de agentes comunitários de saúde para os haitianos. Ao todo, serão 330 vagas em 12 turmas. A duração do curso será de cinco meses. Ainda este ano, serão promovidos cursos de formação de auxiliares de enfermagem haitianos, com duração de um ano.

Soldados paquistaneses da ONU são condenados por abuso no Haiti

Reuters
Terça-feira, 13 de março de 2012 10:32 BRT

Por Joseph Guyler Delva

PORTO PRÍNCIPE, 13 Mar (Reuters) - Dois soldados paquistaneses das forças de manutenção de paz da ONU foram sentenciados a um ano de prisão pelo estupro de um menino haitiano de 14 anos, após serem considerados culpados por um tribunal militar paquistanês no Haiti, afirmaram autoridades na segunda-feira.

A porta-voz da Organização das Nações Unidas, Sylvie Van Den Wildenberg, disse que juízes de um tribunal militar paquistanês vieram ao empobrecido país do Caribe para realizar o julgamento que resultou na condenação dos soldados na semana passada. Eles foram considerados culpados pelo estupro de um garoto na cidade de Gonaives, no norte, em 20 de janeiro.

Ambos os soldados, que não tiveram os nomes revelados, foram sumariamente dispensados do serviço militar e sentenciados a um ano atrás das grades em sua terra natal, afirmou a porta-voz.

"A ONU foi informada na semana passada por autoridades do Paquistão sobre o veredicto, mas a Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) não teve nenhum envolvimento com o processo judicial militar que foi comandado por juízes militares do Paquistão", completou.

Foi a primeira vez que membros de uma missão militar da ONU no Haiti foram julgados e condenados dentro do país.

Diversos soldados das forças de manutenção de paz também foram acusados de estupro, além dos soldados paquistaneses, em casos que alimentaram protestos públicos que exigem que membros das forças da ONU percam a sua imunidade e sejam julgados em cortes haitianas.

O ministro de Justiça do Haiti, Michel Brunache, disse que o veredicto do julgamento dos paquistaneses era um "pequeno passo" na direção certa.

Brasil envia 4 milhões de doses de vacina ao Haiti

Terra Notícias:

14 de março de 2012 • 22h40 • atualizado às 22h49

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira ter doado mais de 4 milhões de vacinas ao Haiti, país onde o Brasil participou de missão de paz. As doses chegaram à capital, Porto Príncipe, na última sexta-feira. A doação faz parte de uma série na área de saúde pública.

Foram enviadas ao país 4.349.000 doses de BCG (contra formas graves de tuberculose), pólio (poliomielite), DPT (difteria, tétano, coqueluche) e DT (difteria e tétano). Cerca de 1,5 milhão devem ser usadas no próximo mês, quando inicia a campanha de vacinação contra a pólio no Haiti.

Segundo o Ministério da Saúde, o governo gastou US$ 1,4 milhão nas doses, mais US$ 54 mil no transporte dos produtos, que teve apoio da Organização Panamericana da Saúde. Foram enviadas 500 caixas térmicas, além de material para a manutenção dos refrigeradores. Técnicos brasileiros embarcaram para ajudar na campanha de vacinação do país, o que tem menor cobertura vacinal das Américas, conforme a pasta.

O Brasil coordena ainda a construção de três hospitais comunitários e um instituto de reabilitação, com investimentos de US$ 18,7 milhões. O recurso foi aprovado em 2010, quando o parte do país foi destruída por um forte terremoto, como crédito extraordinário para uso específico no Haiti.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Haiti atingida por um terremoto de 4,6



Info Haiti

7 de março de 2012
PORT-AU-PRINCE, Haiti

Um terremoto de intensidade moderada sacudiu o sul do Haiti na noite de quarta-feira, mas as autoridades não reportaram vítimas ou danos imediatamente.

De acordo com o Instituto de Estudos Geológicos dos Estados Unidos, o epicentro do terremoto, de magnitude 4,6, foi localizado 38 km a sudeste de Porto Príncipe, a capital, e um profundidade de 4,9 km. O terremoto foi sentido às 21h51 horas, horário da Costa Leste.

Moradores, ainda marcadas pelo violento terremoto de janeiro de 2010, correram pelas ruas da capital. Este sismo, de magnitude 7,0, matou 314.000 pessoas e destruíram milhares de casas.

terça-feira, 6 de março de 2012

Entrega de medicamentos doados pelo Brasil ao Governo Haitiano

NOTÍCIAS DO HAITI

Porto Príncipe (Haiti) – No dia 1º de março foi realizada, no Aeroporto Internacional de Porto Príncipe, a entrega de um lote de medicamentos vacinas contra raiva e soro antirrábico humano ao Governo do Haiti.

As vacinas, que totalizaram 21.000 doses, foram doadas pelo Ministério da Saúde brasileiro para o Ministère de la Santé Publique et de la Population (MSPP) - Ministério da Saúde Pública e da População do Haiti, por meio da Embaixada do Brasil em Porto Príncipe.
O MSPP contou com o apoio do projeto "Programa de Medicamentos Essenciais (PROMESS-PEV)" da Organização Pan-americana de Saúde/Organização Mundial de Saúde que ficou responsável pelo recebimento, transporte e estocagem das vacinas, que serão usadas conforme as campanhas/estratégias de vacinação definidas pelo MSPP.
Todo o processo logístico, desde o recebimento do material no Brasil até a entrega ao representante do PROMESS-PEV em Porto Príncipe, foi viabilizado pelo Exército Brasileiro, por meio da Célula Logística de Apoio ao Contingente Brasileiro no Haiti (CLACH), do 15º Contingente Brasileiro.
No ato formal de entrega da doação estavam presentes o Chefe da CLACH, Cel José Alberto Silveira Ribeiro, a representante da Embaixada do Brasil no Haiti, Senhora Fabiana Schwarz e os representantes do PROMESS-PEV, senhores Michel Klopfenstein e Yvel Georges. 




BRAENGCOY perfura poço para Hospital Comunitário

NOTÍCIAS DO HAITI 

Porto Príncipe (Haiti) – No dia 26 de fevereiro, a Companhia de Engenharia de Força de Paz no Haiti (BRAENGCOY) concluiu mais uma missão em solo haitiano. Trata-se da perfuração de um poço artesiano no bairro de Bon Repós, no município de Croix des Bouquets, na área onde será construído um hospital comunitário de referência, com 40 leitos, no modelo de Unidade de Pronto Atendimento (UPA) utilizado em alguns estados brasileiros.

A conclusão deste trabalho pela Equipe de Poços da BRAENGCOY é de suma importância para o avanço das demais etapas que envolvem a construção daquela Unidade e também para a comunidade local, uma vez que a água é um recurso escasso no país.

A Companhia também foi responsável pela limpeza do terreno, nivelamento e compactação de solo. As obras fazem parte do Projeto Tripartite Brasil-Haiti-Cuba de fortalecimento do sistema de saúde e de vigilância epidemiológica do Haiti, iniciado em março de 2010.
A UNOPS (United Nations Office for Project Services) é a agência das Nações Unidas encarregada da execução do projeto.






Despedida do Embaixador do Brasil no Haiti

NOTÍCIAS DO HAITI

Porto Príncipe (Haiti) – O 15º Contingente Brasileiro de Força de Paz (15º CONTBRAS) realizou, no dia 18 de fevereiro, uma formatura na Base General Bacellar com o objetivo de apresentar suas despedidas ao Embaixador e à Embaixatriz do Brasil no Haiti, Sr Igor Kipman e a Sra Roseana Kipman.
A solenidade foi presidia pelo Comandante do 15º CONTBRAS, Cel Nolasco e contou com a presença do Ministro 2ª Classe da Embaixada Brasileira Claudio Campos. Na oportunidade, foi realizada a entrega de uma lembrança do CONTBRAS ao casal pela amizade e o estreitamento de laços entre a Embaixada brasileira e as Unidades brasileiras no Haiti.
O substituto do Embaixador Igor Kipman será o Sr José Luiz Machado e Costa, que deverá assumir suas funções em março.






BRAENGCOY repara via na Capital Haitiana

NOTÍCIAS DO HAITI 
Porto Príncipe (Haiti)

Uma vez mais a Companhia de Engenharia de Força de Paz no Haiti (BRAENGCOY) beneficia a população haitiana por intermédio da manutenção de vias necessárias às atividades de segurança da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH). 
No mês de fevereiro, os moradores das proximidades da Rua Vivy Mitchel, em Pétion-Ville, puderam acompanhar a realização dos seguintes trabalhos técnicos de engenharia: nivelamento topográfico, terraplanagem e asfaltamento de via.





República Dominicana: UE vai destinar 73 ME para projetos de desenvolvimento

Destak.pt

A União Europeia (UE) pretende canalizar, este ano, uma verba de cerca de 73 milhões de euros para a execução de projetos e programas de desenvolvimento na República Dominicana.

Segundo informaram fontes do organismo na segunda-feira, as iniciativas em causa vão beneficiar sobretudo a região fronteiriça com o Haiti.

O Comissário da UE para o Desenvolvimento, Andris Piebalgs, afirmou, através de um comunicado distribuído pela Presidência dominicana, que entre os projetos definidos figura a reparação de estradas, formação do pessoal da alfândega, entre outras iniciativas, pensadas para melhorar as condições de vida das famílias que moram dos dois lados da fronteira.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Ao contrário do Acre e Amazonas, Rondônia não oferece capacitação

Diário da Amazônia


11:58:47 | Segunda-Feira, 05/03/2012

Mesmo com o grande número de haitianos em Porto Velho, ao contrário dos Estados do Acre e Amazonas, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (Ifro) ainda não disponibiliza cursos de capacitação para este público. Até o momento, de acordo com o reitor em exercício, Jackson Nunes, não houve uma demanda específica intermediada por organizações federais, associações e cooperativas.

O reitor acredita que neste primeiro momento, a maior preocupação do Estado de Rondônia seja a regulamentação da documentação dos haitianos, já que sem ela não há como realizar a certificação de cursos de capacitação. Segundo a pró-reitora do instituto, Marilise Esteves, o Ministério do Trabalho tem recebido muitos haitianos que procuram a superintendência para a regularização da carteira de trabalho, que no caso dos estrangeiros é especial. “Provavelmente, a gestão está fazendo esse levantamento feitos em outros estados”, disse o reitor em exercício.

De acordo com Jackson, os institutos federais do Acre e Amazonas, estão mais evoluídos que de Rondônia, pois foram os primeiros Estados do Brasil que serviram de porta de entrada para migração da população haitiana, após o terremoto, em 2010, que devastou o Haiti. Desde ano passado, o Ifro do Amazonas oferece por meio do programa Mulheres Mil vários cursos de capacitação para haitianos.
Logo no inicio do curso, as mulheres tiveram aula de língua portuguesa, história do Amazonas, geografia e em seguida noções de relações humanas, direito, saúde da mulher e segurança do trabalho. Já em relação ao Acre, o que impulsionou instituto da localidade oferecer cursos de capacitação foi as enchentes dos municípios de Brasiléia e Assis Brasil, que resultou no levantamento sobre a situação dos estrangeiros que estavam em processo de migração no Acre. “Nesse momento o pessoal de lá ficou frente a frente com esta população”, conta a pró-reitora.
Mesmo ainda não ofertando cursos de capacitação para os haitianos na Capital, Marilise ressaltou que a mobilização do instituto na ação humanitária Brasil e Haiti, é trabalhada desde fevereiro de 2010, logo após o terremoto que atingiu o país. “Naquele momento os institutos federais receberam uma comunicação do Ministério da Educação (MEC) para se organizar em trabalhos voluntários e professores técnicos, que pudessem ajudar na elaboração de um programa de capacitação para haitianos no próprio Haiti e de reconstrução física”.

DEMANDA

O reitor do Ifro em exercício, Jackson Nunes, acredita que com a demanda de haitianos na Capital, as secretarias municipais e estaduais que trabalham com a área social devem estar se organizando de alguma forma. “Através disso, vamos realizar parcerias para ofertar os cursos”, comenta.
A pró-reitora Marilise falou que de acordo com o acesso do público haitiano ao instituto, eles poderão identificar quem é essa comunidade, idade, escolaridade, para então fazer o levantamento diagnóstico e saber quais os cursos ofertar para este tipo de público. “Pensamos em línguas e atividades de instrução continuada”, relata.
Para o reitor Jackson, o que Porto Velho está oferecendo hoje aos haitianos são trabalhos na área de construção civil. “Tem que se focar na necessidade que eles têm. Onde tem oferta de emprego. Não adianta eu capacitar um haitiano em outro curso que não fará o uso dele”, afirma. Esse pensamento é compartilhado por Marilise. “Temos pensar em cursos aqui de edificações da área técnica”, disse. Outro programa que Marilise Esteves acredita que o público haitiano se encaixaram é o Programa Mulheres Mil, que abrirá novas vagas até o meio do ano. “Lá em Manaus quando abriu a população já tinha acessado e estava sabendo.

Aqui acredito que até junho com todo esse processo de identificação e levantamento, deve trazer este tipo de público. Existe toda uma movimentação para acolher e ajudar”, comenta.

HAITIANOS ANSIOSOS POR CURSOS

Enquanto, o Estado e município não se organiza para ofertar capacitação aos haitianos,esse público espera ansioso pelas oportunidades. A costureira e haitiana Juanita Julia, 35 anos, chegou na semana passada, em Porto Velho e não vê a hora de conseguir um emprego na área. Juanita disse que está à procura de um curso de capacitação. “Precisamos de ajuda das pessoas e do governo”, afirma ela que mora em um albergue, no bairro liberdade.
Já Charles Rosny está mais tranqüilo que sua colega de albergue. Há quase três meses na Capital, Charles está trabalhando, com carteira assinada, como auxiliar de obra em uma empreiteira. “Ganho mil reais e mando dinheiro para os meus cinco filhos e minha esposa que estão no Haiti”, conta. Para ele, é preciso que Rondônia ofereça o mais rápido possível cursos de capacitação aos haitianos.

sexta-feira, 2 de março de 2012

O avanço missionário dos batistas brasileiros no mundo


Em 2011, após 9 anos sem conseguir atingir sua meta financeira, Missões Mundiais ultrapassou um alvo desafiador. Isso aconteceu devido a muito trabalho das igrejas e crentes brasileiros que amam a obra missionária e se envolveram em oração e na entrega de suas ofertas e vidas.
Como consequência deste esforço, no ano passado foram enviados 121 novos missionários para os campos e treinados mais 43 obreiros. Missões Mundiais enviou 204 voluntários que atuaram em projetos de curta duração e impactaram o Haiti, a Itália, a Índia e outros países. Também houve crescimento no número de campos com a abertura da República Centro-Africana. Neste ano já foram abertos mais dois campos africanos, Camarões e Chade. A meta de Missões Mundiais é enviar 800 missionários para 80 campos até o ano de 2013. Atualmente são 719 missionários que atuam em 65 campos, e já está sendo preparada a abertura de mais 15 campos. Com isso, os projetos cresceram e frutificaram. Os números são provas incontestes do avanço missionário.
Em 2011 foram 39 igrejas plantadas, 2.338 crentes batizados, 1.352 frentes missionárias abertas, entre núcleos de estudo bíblico, células e congregações. O PEPE, programa socioeducativo promovido pela JMM, alcançou 7.167 crianças com 246 unidades. No Mali/África foi construída uma maternidade, entre tantas outras realizações. Este ano o PEPE chegou a mais um país: Haiti. Em janeiro foram inauguradas as duas primeiras unidades desta nação que é considerada a mais pobre das Américas.
A abertura de novos campos e o envio de mais missionários são metas que estão sempre diante da JMM. Assim como o grande desafio da administração dos recursos que Deus tem confiado à nossa agência missionária. “Mas, pela fé, cremos que o povo de Deus não recuará, mas avançará em direção aos povos não alcançados. Para 2012 temos um alvo ainda mais desafiador e, pela experiência passada, sabemos
que vamos ultrapassá-lo também”, diz o Pr. João Marcos Barreto Soares, diretor executivo da JMM.
Na Campanha Missionária de 2012, a JMM leva às igrejas a realidade dos povos não alcançados, mas
principalmente falando de três países: China, Paquistão e Indonésia. A Campanha deste ano, mais uma vez, deseja conscientizar as igrejas sobre a necessidade de priorizarmos os cerca de 3.000 povos não alcançados e de conhecermos a realidade muçulmana para evangelizá-los. Em 2013 Missões Mundiais começa a treinar mais duas categorias do Projeto Radical – Voluntários sem Fronteiras: Sênior e Ásia. Atualmente a JMM mantém 18 missionários na China, mas sua meta é enviar, até 2015, mais 100 pessoas para aquele país. Para isso, é preciso que mais pessoas se apresentem para seguir aos campos.
Para que o avanço missionário dos batistas brasileiros continue avançando, contamos com nossos pastores, líderes, promotores de missões e crentes que queiram ver o mundo alcançado pela Palavra de Deus. Pois Cristo é a Paz que liberta povos e nações.

Brasil e Haiti terão cooperação para inclusão de deficientes

Brasil/Mundo - Correio do Estado

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, foi ao Haiti no final de janeiro e firmou parceria com o país caribenho tendo como principal objetivo fomentar e qualificar o diálogo sobre os direitos das pessoas com deficiência, fortalecendo agentes governamentais e não-governamentais, compartilhando melhores práticas, realizando intercâmbio e troca de experiências no âmbito dos direitos humanos.

O projeto foi denominado "Fortalecimento da capacidade política e institucional de agentes governamentais e não-governamentais do Haiti para promoção e defesa dos direitos das pessoas com deficiência" e é uma das iniciativas brasileiras no Haiti. As tropas da Organização das Nações Unidas (ONU) que estão na ilha são comandadas pelo Brasil.

Na primeira visita foram propostas duas linhas de ação. A primeira delas é fortalecer a capacidade institucional da secretaria de Estado para Integração das Pessoas com Deficiência do Haiti na formulação e execução de políticas públicas nacionais para promoção dos direitos da pessoa com deficiência. A segunda será a capacitação agentes públicos e representantes da sociedade civil em direito das pessoas com deficiência e estratégias de inclusão desse segmento nas políticas sociais do Estado.

"O curso de capacitação para agentes governamentais terá como objetivo promover o conhecimento sobre a realidade das pessoas com deficiência e sobre os principais instrumentos internacionais que tratam de seus direitos. Também será compartilhada a experiência prática que o Brasil tem na construção de políticas públicas voltadas para as pessoas com deficiência", informou a Secretaria da Pessoa com Deficiência da Presidência da República.

O público alvo desse curso serão agentes governamentais do poder executivo, judiciário e legislativo, em todas as suas esferas, cuja área faça interface com o tema das pessoas com deficiência.

No primeiro semestre de 2010, a Secretaria de Direitos Humanos recebeu convite da Secretaria de Estado para Integração das Pessoas com Deficiência do Haiti para prestar assistência técnica na formulação de estratégias para inclusão das pessoas com deficiência nas políticas públicas e também na concepção e aplicação de normas de acessibilidade para este segmento.

Com o objetivo de conhecer a realidade haitiana no aspecto mencionado, realizou-se uma missão no período de 05 a 09 de abril de 2010, logo após o terremoto de janeiro.

ONU repassa 6 milhões para Haiti ajudar vítimas do terremoto

Brasil/Mundo - Correio do Estado
AGÊNCIA BRASIL

A estimativa é que 490.545 pessoas vivam de forma improvisada

A Organização das Nações Unidas (ONU), por intermédio do Fundo Central de Resposta às Emergências das Nações Unidas (cuja sigla em inglês é Cerf), anunciou a liberação de 6 milhões de euros para ajudar as vítimas do terremoto de 12 de janeiro de 2010 no Haiti. Dois anos após os tremores de terra no país, os haitianos ainda sofrem com a falta de moradia, de infraestrutura básica, educação e saúde.

A estimativa é que 490.545 pessoas vivam de forma improvisada no Haiti. A proposta das Nações Unidas e do governo do presidente haitiano, Michel Martelly, é intensificar o processo de transferência dessas pessoas para locais seguros e com garantia de assistência médica.

Os responsáveis pela área de Assuntos Humanitários das Nações Unidas informaram que o dinheiro vai ser usado principalmente no socorro de quem está em abrigos provisórios em Porto Príncipe, a capital, e algumas cidades do interior do Haiti.

Há ainda planos para investimentos em saneamento de acampamentos, na ampliação do acesso à água potável e em programas de combate à desnutrição de crianças e mulheres grávidas, além de projetos de proteção e assistência às mulheres vítimas de violação e agressão sexual. Também devem ser ampliados os programas de combate à cólera.

O terremoto de 12 de janeiro de 2010 gerou destruição e mortes no Haiti. Cerca de 220 mil pessoas morreram no país, muitas perderam suas casas e vários prédios foram destruídos. O processo de reconstrução da região é o principal desafio do governo Martelly.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Haiti: Nações Unidas ajudam deslocados com 6ME

SIC Notícias

Porto Príncipe, 02 mar (Lusa) -- O Fundo Central de Resposta às Emergências das Nações Unidas (CERF, na sigla inglesa) reservou o equivalente a seis milhões de euros para diversos programas de ajuda nos campos de deslocados no Haiti, foi anunciado.

De acordo com o gabinete dos Assuntos Humanitários das Nações Unidas, os recursos financeiros destinam-se a atenuar a situação dos milhares de deslocados que ainda permanecem nas ruas da capital, dois anos depois do violento sismo que atingiu o país em janeiro de 2010.

O donativo será utilizado também no saneamento de vários acampamentos, acesso a água potável, colmatar a desnutrição de crianças, mulheres grávidas ou lactentes, proteção e assistência a mulheres vítimas de violação e agressão sexual nos acampamentos e combater a cólera em vários pontos do país.

Haiti: entre a pobreza e a violência policial.

Otávio Calegari, militante do PSTU, está no Haiti desde o dia 31 de dezembro e agora se encontra em Ouanaminthe, cidade haitiana de cerca de 100 mil habitantes, uma das mais importantes do país por ser uma das fronteiras do Haiti com a República Dominicana e também por possuir uma das maiores zonas industriais do país. Vários acontecimentos têm sacudido a realidade da cidade nos últimos dias, abaixo segue o relato de Otávio.


OTÁVIO CALEGARI, DE OUANAMINTHE (HAITI)

http://www.pstu.org.br/internacional_materia.asp?id=13920&ida=0


Restos de pneus queimados na Rue Espagnole, principal rua de Ouanaminthe


Há alguns dias um verdadeiro levante popular teve início em Ouanaminthe. Tudo se passou em um bairro da cidade chamado Gaia, sem dúvida um dos mais pobres. Assim como os outros bairros de Ouanaminthe, Gaia também não possui eletricidade. Tampouco possui água encanada ou saneamento básico. A população vive como se pode viver. As ruas de Gaia são todas de terra. A chuva, quando vem, transforma o bairro em um lamaçal, inundando parte das casas. As casas são feitas, em grande parte, de madeira e calhas. Algumas, as mais luxuosas, são feitas de tijolos. Gaia também é o último bairro de Ouanaminthe antes da CODEVI, Zona Franca Industrial, que produz roupas e sapatos para marcas como Levi's, Timberland, American Eagle, dentre outras, pagando 25 dólares por semana aos operários e operárias. Em Gaia também moram muitos trabalhadores da Zona Franca, assim como milhares de outras pessoas.

O início do conflito
No último domingo, 12 de fevereiro, após uma confusão entre dois vizinhos, a Polícia Nacional Haitiana (PNH) foi acionada para resolver a briga. A PNH não é bem vista pela população de Gaia, que a toma mais como inimiga do que protetora, devido ao histórico de violentas intervenções policiais no bairro. A inevitável reação de parte dos moradores à presença da polícia foi de hostilidade. Ao chegarem ao local, um policial e 2 soldados da MINUSTAH (Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti), segundo relato dos moradores, investiram contra os jovens que os hostilizavam. Após um tumulto e algumas pedras e garrafas arremessadas, o policial atirou. O resultado: um rapaz de 28 anos, casado e com quatro filhos, foi morto. Ele era conhecido como Ti Loulou (pequeno Loulou). Os policiais e os soldados imediatamente foram embora. Os moradores, indignados, começaram a telefonar para as autoridades para contar o que tinha se passado. Muitos juízes foram contatados, mas nenhum deles compareceu ao local. O corpo de Ti Loulou ficou mais de 2 horas no chão até que um juiz aparecesse.

Na segunda-feira a reação dos moradores começou. Já às 6h da manhã duas barricadas foram feitas na Rue de la Liberté, principal rua que dá acesso à Zona Franca. Os mais de 6 mil operários não puderam passar. Não houve trabalho na Zona Franca. Durante o dia vários conflitos aconteceram em diversos locais da cidade. Os jovens de Gaia apedrejaram a sede da polícia e também alguns dos lugares mais movimentados da cidade, chamando a atenção para sua indignação. Eles exigem indenização à família de Ti Loulou e a punição dos policiais envolvidos.

A situação se agravou após uma declaração polêmica do Comissário da Polícia Nacional em Ouanaminthe, desqualificando as autoridades haitianas e dizendo que ali era ele quem mandava. Os conflitos continuam até o momento em que esse texto era escrito, quarta-feira (15/02) à noite, e tendem a se agravar se nada for feito.

Relatos
Nesse dia 15 pela manhã o principal mercado de Ouanaminthe praticamente não funcionou. Os comerciantes foram intimados, pela fúria dos jovens de Gaia, a não iniciarem suas atividades.

Após o almoço consegui ter acesso aos líderes da revolta e ao pai do jovem assassinado. Seus relatos são tristes e enfurecidos. O pai relata como seu filho perdeu sua vida voltando para a casa após trabalhar o dia todo em uma construção. “Ele não tinha nada quando morreu, não tinha pedras, não tinha garrafas, por que o mataram?” , diz ele, indignado. O pai reclamou também da atuação da polícia e da MINUSTAH. Segundo ele, a polícia haitiana tem dois problemas fundamentais, a prática cotidiana de assassinar pessoas e o envolvimento com o tráfico de drogas.

Tanto o pai como todos os outros que estavam em volta enquanto eu fazia a entrevista disseram que o policial que matou Ti Loulou tinha envolvimento com o tráfico. “A MINUSTAH também só aparece para atirar nas pessoas. Jogam gás [lacrimogênio], que deixa as crianças sufocadas. A Minustah não faz nada sério no país. Com o dinheiro que é gasto com um soldado da Minustah poderia se pagar 5 policiais haitianos. Eles só ficam andando de carro, não fazem nada. ” Frito, pai de Ti Loulouse, diz que só vai enterrar seu filho quando houver reparação e punição.

Já os jovens exigem também a saída do Comissário de Polícia. Segundo eles Ouanaminthe piorou muito desde que esse Comissário veio para cá, após o terremoto de Porto Príncipe. Segundo os jovens, o Comissário também tem envolvimento com o tráfico de drogas. “Enquanto não houver reparação pelo assassinato de Ti Loulou nós não vamos parar. Vamos fechar as escolas, vamos fechar o mercado, vamos fechar a fronteira e vamos colocar fogo em Ouanaminthe. As autoridades haitianas não servem para nada.”

Separei-me do grupo e após meia hora cruzei, na rua principal da cidade, com 2 tanques blindados da Minustah e 3 caminhões de soldados, todos uruguaios. Pela tarde houve confronto entre os jovens e a Minustah na entrada de Ouanaminthe, após os manifestantes terem-na bloqueado. Os manifestantes foram dispersos pelas bombas de gás lacrimogênio.

A noite de hoje também foi movimentada. Voltando para casa por volta das 20h, nas ruas escuras da cidade, eu e um amigo vimos o comércio fechando e pessoas correndo. Garrafas voavam na escuridão.

A profundidade do problema
Esta não é a primeira vez que a PNH e a MINUSTAH entram em conflito com moradores de Gaia. O bairro é considerado “problemático” pelas autoridades. Segundo o que se comenta na cidade, muitos dos partidários armados do ex-presidente Aristide, deposto em 2004, conhecidos como “chimères”, vieram para Ouanaminthe após a ocupação militar da ONU.

Desde a entrada das tropas da ONU no país uma verdadeira guerra foi desencadeada nos bairros mais pobres de Porto Príncipe contra as gangues pró-Aristide. Os massacres cometidos pela MINUSTAH, liderados pelos soldados brasileiros, são amplamente conhecidos, apesar do silêncio que reina na mídia brasileira. A violência das tropas de ocupação aparece até em romances haitianos publicados no estrangeiro, como é o caso do livro autobiográfico de Edwidge Danticat, “Adeus, Haiti”, já publicado em português.

A invasão da ONU está deixando atrás de si um rastro de centenas de mortos e nenhuma resolução aos principais problemas do país. Apesar dos mais de 4 bilhões de dólares gastos com a Missão, que conta com rádios, enormes infraestruturas, blindados, aviões, armas letais e não letais e mais de 12 mil membros, entre civis e militares, muito pouco ou quase nada foi feito para melhorar as condições de vida da população.

O bairro de Gaia é só mais uma manifestação dos problemas estruturais que possui a sociedade haitiana, problemas reproduzidos e agravados com a ocupação militar estrangeira. Apenas os mais ingênuos podem acreditar que a MINUSTAH é uma Missão de Paz. O discurso da “paz” e da “democracia” é utilizado pelo imperialismo há décadas para justificar o saque de países e o massacre de populações para servir a seus interesses políticos e econômicos.

Os planos dos Estados Unidos (e de seus sócios menores: França, Canadá, e poderíamos dizer, Brasil) para o Haiti não são segredo. Estão escritos em vários documentos da USAID (Agência para o Desenvolvimento Internacional, braço do governo norte-americano) e da própria Comissão Temporária para Reconstrução do Haiti, sob o comando de Bill Clinton. A destruição da agricultura camponesa haitiana e a entrada cada vez maior de produtos norte-americanos fazem parte desses planos e já vêm sendo postas em execução há décadas. Essa combinação de destruição e invasão de produtos estrangeiros faz com que os camponeses haitianos, sem possibilidades de continuar no campo, migrem para as cidades em busca de emprego, engrossando o exército de reserva aos grandes parques industriais de exportação. O projeto norte-americano ao Haiti pode ser facilmente resumido em três eixos: 
  • 1) destruição da agricultura tradicional; 
  • 2) invasão de produtos norte-americanos e estrangeiros e 
  • 3) implementação de grandes parques industriais de montagem com mão-de-obra barata, as “maquiladoras”. 
Para se manter um país numa situação tão miserável, por um lado, e tão lucrativa aos interesses estrangeiros, por outro, é preciso de muitos soldados, e esse é o motivo da permanência cada vez maior da Missão da ONU no país.

Infelizmente as explosões de rebeldia e violência não vão parar enquanto a miséria for perpetuada. O caráter espontâneo das revoltas, no entanto, dificilmente consegue causar mais do que pânico em parte da população, que poderia ser aliada. A falta de organização e preparação das lutas faz com que estas sejam facilmente desmanteladas pelo aparelho repressivo de alta tecnologia empregado pelas tropas de ocupação. Uma organização disciplinada e organizada nunca foi tão fundamental para a resistência à ocupação militar e para uma segunda libertação do Haiti.

Milhares de haitianos protestam contra Martelly e apoiam Aristide



Milhares de haitianos expressaram nesta quarta-feira nas ruas de Porto Príncipe seu descontentamento com a gestão do presidente Michel Martelly e a decisão do Estado de processar o ex-líder Jean Bertrand Aristide por corrupção e tráfico de drogas.

A manifestação foi organizada por grupos próximos ao partido Família Lavalas, de Aristide, por ocasião do oitavo aniversário de sua queda do poder, em 29 de janeiro de 2004.

"Abaixo Martelly", "Abaixo o Exército rosado" e "Martelly deve apresentar seu passaporte ao Parlamento" foram alguns dos slogans usados pelos manifestantes, que saíram do centro da cidade e caminharam até o Parlamento.

Segundo eles, o atual presidente favorece a reinstalação do antigo Exército, desmobilizado em 1995, para formar um "Exército rosado" em seu próprio benefício político.

Por outro lado, os manifestantes exigiram que o presidente Martelly entregue ao Senado seus documentos de viagem, tal como foi reclamado por uma comissão da Câmara que investiga denúncias de que o presidente possui mais de uma nacionalidade. A Constituição do Haiti proíbe que o chefe de Estado possua alguma outra nacionalidade alheia à haitiana.

Os partidários de Aristide expressaram seu descontentamento pela investigação iniciada contra o ex-governante por supostas ações de desvio de verbas e tráfico de drogas.

Fontes haitianas informaram na terça-feira que o promotor-chefe de Porto Príncipe, Jean-Renel Sénatus, entregou o expediente contra Aristide à juíza decana Jocelyne Casimir, que o enviou à juíza de instrução Mimose Janvier.

Durante sua passagem pelas ruas, os manifestantes arrancaram cartazes com a imagem do chefe do Estado e confiscaram braceletes rosados da campanha eleitoral de Martelly das mãos de seus proprietários. Pedras lançadas por desconhecidos perturbaram parcialmente a manifestação e foram ouvidos disparos de armas de fogo.

Estrangeiros ajudam arte haitiana a renascer

Jornal Correio do Brasil

1/3/2012 10:11, Por Redação, com BBC - Brasil





Os efeitos da presença estrangeira na capital do Haiti, Porto Príncipe, vão além da filantropia

Nos últimos anos, vários hotéis, restaurantes e supermercados foram inaugurados na cidade para atender à clientela internacional, formada sobretudo por missionários e membros das cerca de 10 mil ONGs que atuam no Haiti.

Esses estrangeiros também ajudaram a florescer uma tradição artística que sofreu um duro golpe no terremoto de 2010.

Desde 1947, quando o pintor haitiano Hector Hyppolite expôs em Paris, museus da Europa e dos Estados Unidos passaram a valorizar a arte do país caribenho, marcada por cores vivas e por cenas que retratam o cotidiano e a religiosidade de seus habitantes.

O interesse mundial provocou a abertura de várias galerias de arte em Porto Príncipe nas décadas seguintes. Porém, com o terremoto em 2010, muitas galerias ruíram, e vários artistas perderam seus acervos.

O artista plástico Ilmorin Verly conta que todos os quadros que armazenava em casa foram destruídos ou furtados após o sismo.

Mas a enxurrada de estrangeiros que veio acudir o país nos meses seguintes o estimulou a retomar a produção e a expor seus quadros na rua. Os preços das obras variam entre 50 e 120 dólares. Aos poucos, galerias tradicionais também retomam as atividades. Mas elas reclamam da dificuldade em competir com os preços das ruas e da grande quantidade de obras falsificadas em circulação.

Seja como for, num aspecto artistas de rua e donos de galerias concordam: a presença estrangeira está ajudando a preservar uma das vertentes mais ricas da cultura haitiana e tornando Porto Príncipe mais colorida.

Programa apoiado pela Prefeitura chama atenção da Cruz Vermelha Americana

Jornal Correio do Brasil

O Programa Eco Cidadão, apoiado pela Prefeitura de Macaé, acaba de receber convite da Cruz Vermelha Americanapara implementar seu padrão de trabalho em comunidades de Porto Príncipe, capital do Haiti.

Segundo a coordenadora do Programa, Marielza Horta, o trabalho seria embasado na educação para a sustentabilidade, mobilidade social, cultura de paz e direitos humanos.

- Fizeram o convite baseados nos resultados altamente positivos e em todas as metodologias realizadas em Macaé, pois o programa mobiliza as pessoas mais excluídas e as residentes em áreas de alta vulnerabilidade social.

Além do apoio da Prefeitura de Macaé, o trabalho é realizado em parceria com instituições estrangeiras. “Posso citar organizações que, permanentemente, cooperam com o Eco Cidadão, como a Purac Sínteses, Habitat ONU, Universidade Aberta do Porto (Portugal), Borria Macaé, Fundação Ruaf, da Holanda, PES do Peru, IDRC (Canadá), enumerou a coordenadora. Ela ressaltou a importância do convite.

- O convite é muito importante para a trajetória do Eco Cidadão, principalmente por reafirmar nossa missão de disseminar as práticas e valores do Programa, capaz de contribuir para a coesão social em várias regiões do mundo, onde for adotado.

Numa visão geral, a coordenadora apontou respostas significativas ao trabalho, sucesso que considera o verdadeiro motivo do convite da Cruz Vermelha Americana para atuar em Porto Príncipe.

- Com o trabalho do Eco Cidadão, o público-alvo passou a cuidar mais do ambiente em que vive, passando da visão utilitarista, de apenas usufruir do que existe na natureza, para uma outra de suprimento e cuidados com o meio. Ela se deteve em analisar as mudanças de comportamento de relevantes grupos, formadores do público – alvo.

- As crianças do ensino fundamental, envolvidas pelo Programa, têm apresentado resultados altamente positivos. Um dos pontos a ressaltar são as grandes mudanças na alimentação desse grupo, que se torna cada vez mais natural, portanto mais saudável, com o plantio de árvores frutíferas, verduras, hortas, até mesmo nos menores espaços disponíveis em suas casas.

Mudanças Sociais – Segundo Marielza, as relações de convivência interpessoais em áreas de risco social apresentam grandes transformações por estarem baseadas numa cultura de paz. Entre os jovens, cultiva-se o incentivo à participação cidadã, antagônica à alienação, pela compreensão da realidade que vivem , pelo reconhecimento do seu papel na sociedade e a importância da preservação ambiental.

Assentados – Esta parcela do público –alvo do programa passou a à prática da agricultura orgânica – plantio sem agrotóxicos – e desenvolveu a consciência do respeito aos ciclos naturais; exercita o combate às práticas poluentes e predatórias; apresenta melhorias nas relações de vizinhança; praticam o respeito aos animais.

Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS) – Os atendidos no Centro participam com muito interesse das oficinas de agricultura urbana e buscam melhorias das suas condições de vida e, hoje, entendem a estreita relação entre saúde, bem-estar e preservação ambiental, além das mudanças de hábitos alimentares. Aprenderam a discutir seus direitos, a lutar contra a discriminação e em favor da recuperação de limitações.