terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Apoio do Brasil a plano de agricultura familiar do Haiti tem participação da Conab

PantanalNews

A Conab tem presença marcante no plano do governo brasileiro de ajuda à população do Haiti. Em recente seminário realizado naquele país, com a presença de representantes da Companhia e de outros órgãos governamentais, foi discutido um plano de estudos de fortalecimento de ações para agricultura familiar e a segurança alimentar no país, nos moldes do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). O programa é executado pela Conab, em parceria com os ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e do Desenvolvimento Agrário (MDA).

Esta semana, o governo federal, por meio da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, divulgou a informação de que será criado um plano de apoio à agricultura familiar que una compras governamentais e assistência técnica, com um investimento, para dois anos, de US$ 600 mil. O projeto será desenvolvido no departamento de Nippes, a 100 quilômetros da capital, Porto Príncipe e os mantimentos produzidos na região devem incrementar a merenda de mais de mil alunos em três escolas.

Doações – No início deste mês, haitianos residentes em Tabatinga, no Amazonas, receberam 400 cestas de alimentos doados pelo MDS e distribuídos pela superintendência regional da Conab no estado. Também no Acre, imigrantes daquele país que chegaram no final do ano receberam 600 cestas de alimentos que estavam estocados em armazéns da Companhia na região, por solicitação de órgãos da Presidência da República.

Já em outubro do ano passado, a primeira dama, Sophia Martelly e comitiva, visitaram a Conab para conhecer seus principais programas, alguns meses após a representação regional da Companhia em Santa Catarina ter despachado um embarque de 1.800 toneladas de feijão para a população haitiana. (Conab/Raimundo Estevam)

Portal de Notícias do Mato Grosso do Sul

PantanalNews

A Conab tem presença marcante no plano do governo brasileiro de ajuda à população do Haiti. Em recente seminário realizado naquele país, com a presença de representantes da Companhia e de outros órgãos governamentais, foi discutido um plano de estudos de fortalecimento de ações para agricultura familiar e a segurança alimentar no país, nos moldes do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). O programa é executado pela Conab, em parceria com os ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e do Desenvolvimento Agrário (MDA).

Esta semana, o governo federal, por meio da Secretaria de Comunicação da Presidência da República, divulgou a informação de que será criado um plano de apoio à agricultura familiar que una compras governamentais e assistência técnica, com um investimento, para dois anos, de US$ 600 mil. O projeto será desenvolvido no departamento de Nippes, a 100 quilômetros da capital, Porto Príncipe e os mantimentos produzidos na região devem incrementar a merenda de mais de mil alunos em três escolas.

Doações – No início deste mês, haitianos residentes em Tabatinga, no Amazonas, receberam 400 cestas de alimentos doados pelo MDS e distribuídos pela superintendência regional da Conab no estado. Também no Acre, imigrantes daquele país que chegaram no final do ano receberam 600 cestas de alimentos que estavam estocados em armazéns da Companhia na região, por solicitação de órgãos da Presidência da República.

Já em outubro do ano passado, a primeira dama, Sophia Martelly e comitiva, visitaram a Conab para conhecer seus principais programas, alguns meses após a representação regional da Companhia em Santa Catarina ter despachado um embarque de 1.800 toneladas de feijão para a população haitiana. (Conab/Raimundo Estevam)

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Pelo menos um morto e 120 feridos durante o carnaval no Haiti

Expresso.pt

Port-au-Prince, 23 fev (Lusa) -- Pelo menos uma pessoa morreu e outras 120 ficaram feridas na sequência de incidentes e confrontos nas ruas durante as festividades do carnaval, indicou um porta-voz da polícia.

De acordo com Gary Desrosiers, da polícia haitiana, a maioria dos incidentes resultaram de escaramuças que tiveram como palco as ruas de Les Cayes, sendo que um homem, de 29 anos, morreu atropelado, depois de ter caído.

Segundo as estimativas oficiais, 300 mil pessoas participaram este ano nas festividades do carnaval que, pela primeira vez desde que há memória, aconteceram fora da capital haitiana de Port-au-Prince.

Ler mais: http://aeiou.expresso.pt/haiti-pelo-menos-um-morto-e-120-feridos-durante-o-carnaval=f706414#ixzz1nbMoM8ld

IICA aponta melhorias na fome no Haiti

O NORTÃO JORNAL

O Instituto apresentou ao Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) as lições aprendidas do programa de assistência técnica que executa no Haiti, criado como resposta de emergência após o terremoto de 2010
A convite da Diretoria para América Latina e Caribe do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) apresentou, em Roma, os resultados do Programa de Apoio para a Segurança Alimentar e Criação de Empregos (PASAC, sigla em francês) que executa no Haiti, focado nas zonas rurais afetadas pelo terremoto de janeiro de 2010.

O projeto, com US$3,2 milhões provenientes do FIDA, é executado pelo IICA em parceria com o Centro Haitiano para a Promoção da Agricultura e a Proteção do Meio Ambiente (CEHPAPE, sigla em francês), a Fundação Haitiana para o Desenvolvimento Integral da América Latina e Caribe (FONHDILAC, sigla em espanhol) e 14 associações de risco desse país, com a supervisão do Ministério de Agricultura do Haiti.

O informe do programa foi exposto ao Conselho de Governadores do FIDA, durante um encontro com a presença do Ministro da Agricultura do Haiti, Hebert Docteur; da Diretora para América Latina e Caribe do FIDA, Josefina Stubbs; o Oficial de Programas do Fundo para Haiti, Marco Camagni, e embaixadores dos países membros do IICA.

Alfredo Mena, Representante do IICA no Haiti, e Alain Thermil, especialista em projetos do Instituto, expuseram os principais aspectos do PASAC, como seu contexto histórico, marco institucional, avaliação de resultados e avaliação da capacidade de resposta. A apresentação incluiu um vídeo documental sobre a fase inicial do programa.

Segundo informou o FIDA, o Ministro Docteur destacou que “os resultados do projeto são estimulantes”. “É um modelo interessante, pois pequenos produtores participam na tomada de decisões”.

O PASAC nasceu com o objetivo de fazer com que a população haitiana receba seus benefícios de maneira permanente e sustentável. O impacto do programa (que tem data para terminar em 31 de março de 2012) aconteceu em dois níveis: atenção da emergência provocada pelo terremoto e um maior impulso ao desenvolvimento.

Quanto à atenção urgente, o programa aportou US$1 milhão para a limpeza e reabilitação de infraestruturas de risco, correção de córregos e revitalização de bacias hidrográficas e hortas. Entre os benefícios está a retomada das atividades agrícolas do país em outubro passado e o reinicio do ano escolar na ilha.

No âmbito do desenvolvimento do programa, as comunidades receberam capacitação para a gestão eficiente da água, assim como a administração técnica e financeira das atividades produtivas vinculadas a este recurso, como por exemplo a irrigação.

“É impressionante que uma quantidade modesta de dinheiro tenha sido capaz de ajudar a milhares de famílias a reconstruir a infraestrutura agrícola destruída pelo terremoto”, disse Josefina Stubbs.

Por outro lado, a criação de empregos sustentáveis tem sido fortalecida pela reabilitação de caminhos e infraestruturas de risco, a construção de instalações de armazenamento e o apoio do programa às microempresas, benefícios que resultaram no aumento da produção e melhoria da segurança alimentar do haitianos.

O FIDA é o segundo maior investidor do setor agrícola do Haiti; desde 1978 até hoje tem investido US$160 milhões.

Premiê do Haiti pede demissão quatro meses após assumir

BBC Brasil

Atualizado em 24 de fevereiro, 2012 - 17:18 (Brasília) 19:18 GMT

O primeiro-ministro do Haiti, Garry Conille, apresentou nesta sexta-feira sua carta de demissão ao presidente do país, Michel Martelly, segundo várias fontes.
A renúncia ocorre em meio a uma intensa disputa política entre os dois líderes por causa de uma investigação parlamentar sobre a nacionalidade de ministros do governo. Possuir dupla cidadania é ilegal no Haiti.

Conille, um médico e especialista em desenvolvimento da ONU, assumiu o posto há apenas quatro meses.

Conille também critica o governo pela forma como os contratos foram distribuídos para ajudar na reconstrução do país após o terremoto de 2010.

Brasil apoia política de agricultura familiar no Haiti

PantanalNews

Experiência brasileira no setor será repassada

O Brasil vai ajudar o Haiti a elaborar um plano de apoio à agricultura familiar que una compras governamentais e assistência técnica. O projeto será desenvolvido no departamento de Nippes, a 100 quilômetros da capital, Porto Príncipe. A expectativa é que os mantimentos produzidos na região incrementem a merenda de 1,1 mil alunos em três escolas.

O modelo do projeto é semelhante ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) desenvolvido no Brasil. E os agricultores terão a orientação de profissionais nos moldes da Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) – oferecida aos produtores familiares brasileiros. Em dois anos, o investimento será de US$ 600 mil.

Uma das características do PAA é propiciar a aquisição de alimentos de agricultores familiares, com isenção de licitação, a preços compatíveis aos praticados nos mercados regionais. Os produtos são destinados a entidades como escolas, restaurantes populares, cozinhas comunitárias e banco de alimentos e para famílias em situação de vulnerabilidade social.

Já os serviços da Ater, utilizada no Plano Brasil Sem Miséria, promovem a profissionalização no campo, respeitando as características de cada comunidade. A Ater oferece a inserção de novas tecnologias e métodos de execução de atividades agrícolas e priorizam a sustentabilidade local.

De acordo com levantamento dos consultores do governo brasileiro, 750 pequenos agricultores serão beneficiados. Os principais produtos com perspectivas de comércio são: abacate, arroz, banana, batata-doce, cana-de-açúcar, cenoura, chuchu, feijão-preto, inhame, laranja doce, limão, mamão, mandioca, manga, maracujá, melancia, milho e sorgo. No departamento de Nippes, a composição básica da merenda escolar é feita apenas com arroz, feijão, sal e óleo.

Escolas - Nippes tem população de 311.497 habitantes, dos quais 43,5% têm menos de 18 anos. Em 2011, a rede de ensino do primeiro e segundo ciclos do ensino fundamental era formada por 489 escolas, 2,7 mil professores e 81,2 mil alunos.

Para 2012, com a proposta de educação universal do atual governo, foram criadas escolas públicas para permitir que crianças entre seis e 12 anos, até então excluídas do sistema escolar, possam ir à escola. A expectativa é que ocorra um aumento de 5,5 mil alunos nas escolas públicas de Nippes. Somente no distrito de Miragoâne, capital do departamento de Nippes, foram criadas 18 escolas, totalizando 44 unidades escolares públicas.

Como no Brasil, a sociedade haitiana decidiu inserir no texto de sua Constituição o acesso à alimentação adequada como um direito social.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Haitianos e amazonenses disputam partida de futebol, em Manaus

Craque - Acritica.com

O jogo acontecerá no campo do núcleo 9 da Cidade Nova, Zona Norte, a partir das 16h

Manaus, 16 de Fevereiro de 2012

NATHÁLIA SILVEIRA




Esporte era o favorito dos haitianos em Porto Príncipe (Antonio Lima)

Longe dos escombros, problemas políticos e tentando reconstruir suas vidas, os haitianos que estão morando em Manaus vão poder matar a saudade do principal esporte praticado nas ruas de Porto Príncipe: o futebol. Isso porque, neste domingo (19), a partir das 16h, no campo do núcleo 9 da Cidade Nova, rola a primeira pelada entre amazonenses e haitianos, que pretende muito mais do que mostrar quem é melhor de bola, mas socializar a comunidade que aqui se estabelece.

“Os haitianos ainda estão sofrendo muito preconceito. Outro dia estava eu num posto, onde trabalhavam quatro haitianos, e presenciei quando eles foram xingados por um homem. Devido a isso, tive a ideia de fazer esse jogo para quebrar qualquer barreira com esse povo. Será uma batalha cultural positiva”, afirmou Nestor Nascimento, parceiro do Movimento Alma Negra (MAN) e do projeto “AMA HAITI”, este último desenvolvido na Cidade Nova. Segundo Nascimento, dois jogos vão fazer parte da programação e a equipe dos haitianos receberá equipamentos e transportes até o campo.

Os haitianos que vão participar das partidas fazem parte do AMA, que há oito meses abriga os imigrantes. E para defender o Estado, os times estão sendo formados pelos voluntários que trabalham no projeto “AMA Haiti” e no MAN, no entanto, aquele amazonense que for bom de bola e desejar participar da pelada, é só chegar. “A pessoa que quiser participar é só ir no domingo e ajudar nosso time ganhar. Já disse para eles (os haitianos) que a gente que é da casa que deve ganhar, pelo menos de 10 a 1”, brinca Nascimento.

Para o haitiano Sammuel Venant, que está em Manaus há 20 dias e já “arranha” o português, a partida do final de semana é uma maneira de estimular a comunidade, que tem lazer restrito.

“Estamos felizes e ansiosos”, afirmou Venant, que vai entrar em campo como atacante. “Nós vamos ganhar de goleada do Amazonas”, ressaltou o haitiano, que é fã e tem como inspiração Ronaldinho Gaúcho. Além disso, Sammuel torce para o Flamengo, time bastante popular no Haiti. “Ele joga muito, gosto muito dele e torço para o Flamengo. Esse time tem muitas conquistas ”, disse.

Com o ponta pé inicial para a promoção do jogo, Nestor e Sammuel pretende disseminar outras modalidades entre a comunidade haitiana, e quem sabe revelar novos atletas que possam defender a bandeira do Amazonas. “O porte deles cai muito para o atletismo e queremos incentivá-los a praticar outros esportes e federá-los no Estado”, comentou Nestor.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Haiti se prepara para mais uma estação de temporais

Rádio Vaticano

 Porto Príncipe (RV) – Todos os anos, o Haiti e a República Dominicana são atingidos por furacões, e agora está se aproximando essa estação. As agências internacionais e o governo haitiano já estão se preparando para as possíveis consequências das tempestades tropicais.

Na sexta-feira, a Organização Internacional para Migrações, OIM, publicou com autoridades haitianas as primeiras diretrizes sobre o funcionamento de abrigos. O guia também orienta sobre evacuações e treinamento de voluntários da defesa civil.

Para o chefe da OIM no Haiti, Luca Dall’Oglio, o importante é assegurar que o pessoal de resgate seja bem treinado para qualquer eventualidade.

Em entrevista à Rádio Onu, a encarregada de informação da agência, Yara Costa, falou a ação: “A OIM já identificou mais de 400 locações, abrigos, que estão preparados no caso de evacuação. Locais que estão preparados para abrigar as pessoas mais vulneráveis, vítimas de possíveis desastres naturais.”

Uma das preocupações dos organizadores é o exame de estruturas de prédios e edifícios e do estado de centros de recuperação. A OIM está apoiando a avaliação de 500 abrigos de evacuação ao redor da ilha caribenha. Já foram construídos ou recuperados um total de 29 centros.

Ao todo serão instalados 500 centros de emergência. Entre os participantes do treinamento estão a Cruz Vermelha do Haiti e o Departamento de Proteção Civil.

Parte da preocupação dos organizadores vem dos estragos causados com o terremoto de janeiro de 2010 que matou mais de 200 mil pessoas. Muitos morreram por estarem em construções não resistentes a terremotos e até mesmo a tempestades tropicais. (ONU/ED)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Um Grande Desafio Missionário

David Botelho - Missão Horizontes

O maior conquistador de todos os tempos foi Genghis Khan. Durante sua vida e a vida de seu filho, Kublai, mais terras e reinos foram conquistados do que em qualquer outra época da história. Em 1264, a China tornou-se parte do Império Mongol e Pequim era a capital.

Cinco anos depois, Venice, o pai de Marco Polo, seu tio Maffeo e Niccilo Polo chegaram a Pequim, China. O Grande Khan, Kublai, recebeu-os de braços abertos.

Um ano mais tarde, o Grande Khan enviou através deles uma carta em turco, endereçada ao Papa Clement IV pedindo que enviasse 100 homens estudados para ensinar seu povo sobre o Cristianismo e a ciência ocidental. Kublai entendeu que precisava alguma coisa que pudesse manter unido seu império em expansão. Sua intenção era enviar esses 100 missionários pelo seu reino estabelecendo para tornar seu império cristão.

Três anos mais tarde, esses irmãos chegaram à Itália e por dois anos tentaram recrutar esses 100 missionários. Somente dois responderam ao seu apelo e em 1271 os dois irmãos, Marco Polo e os dois missionários, partiram para Pequim, os dois missionários seguiram para Beijing. Logo depois da partida, os dois missionários começaram a ficar desencorajados diante dos desafios da viagem através de territórios perigosos e voltaram para casa. Nove anos depois do pedido de Kublai Khan, os irmãos Polo voltaram somente para dizer ao imperador que haviam falhado em sua missão.

Kublai então enviou aos budistas o mesmo pedido. Eles responderam enviando 400 monges. Kublai então os enviou com sua bênção e hoje, essa parte do mundo, tem uma forte presença budista.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Conexão Londres 2012: embarque nessa!


A Colheita - Nº 43 - Jan/Fev 12



Inscrições para Conexão Londres prorrogadas até 15/2

JMM - Missões Mundiais
Por Willy Rangel 09 de fevereiro de 2012



Foram prorrogadas até 15 de fevereiro as inscrições para o projeto Conexão Londres. Se você quer participar dessa caravana missionária, organizada pelo Setor de Voluntários da JMM que vai impactar os Jogos Olímpicos com o Evangelho de Cristo, apresse-se, pois restam pouquíssimas vagas.

Os voluntários servirão as comunidades locais com atividades evangelísticas nas áreas esportiva, de capelania, assistência social, recreação e artes.

A caravana do Conexão Londres seguirá, em 17 de julho, para Sevilha, Espanha, onde o grupo se preparará para a maratona evangelística na capital britânica. Eles seguem para Londres no dia 26 de julho, um dia antes da Cerimônia de Abertura, e permanecem lá até 3 de agosto.

As inscrições estão abertas desde dezembro de 2011, e as vagas são limitadas. Portanto, se você quer participar, não perca tempo e entre em contato com o Setor de Voluntários da JMM através do e-mail voluntarios@jmm.org.br.

Voluntário compartilha experiência no Haiti


JMM - Missões Mundiais
Por Willy Rangel 10 de fevereiro de 2012

Mais um voluntário ajuda na expansão da obra missionária no mundo. Joilson Barbosa de Brito, membro da 5ª Igreja Batista de Taubaté/SP, serviu no Haiti de janeiro a setembro de 2011, contribuindo para o crescimento do Reino de Deus naquela parte do mundo.

Joilson ficou impressionado com a destruição no país ainda por causa do devastador terremoto de janeiro de 2010 e com a grande quantidade de crianças que ficaram órfãs por causa do desastre natural. “O Haiti é um grande desafio”, diz Joilson.

Confira o depoimento do voluntário Joilson:

“Após pouco mais que sete meses em missão pela JMM no Haiti, retorno ao Brasil com a certeza do dever cumprido. Cheguei ao Haiti no dia 23 de janeiro de 2011, em uma manhã ensolarada de domingo. No primeiro contato com o povo haitiano, percebi a religiosidade, a pobreza e alegria de um povo.

Um ano depois do terremoto de 12 de janeiro de 2010, o Haiti ainda é um país em ruínas. O pior tremor dos últimos 200 anos só fez aumentar o sofrimento e a miséria na nação mais pobre das Américas, que não consegue se reerguer. O tremor deixou ao menos 220 mil mortos, 300 mil feridos e 1,5 milhão de desabrigados, dos quais 810 mil continuam em acampamentos. Há centenas de crianças no Haiti que não têm pais, comida, roupa, ou o acesso aos cuidados de saúde ou emocional. São crianças morrendo principalmente de desnutrição.

O Haiti é um grande desafio. O povo é religioso, mas está distante do Deus vivo. O vodu é a religião tradicional do país, sendo praticado por todos. A igreja de Cristo tem uma missão social e salvadora no Haiti. E necessário salvar o espírito sem esquecer o corpo.

O grupo de evangélicos com quem trabalhei resolveu investir nas crianças órfãs para salvar esta geração para Jesus e desta forma influenciar o Haiti do amanhã. Ampliamos o trabalho de assistência social junto ao Orfanato Bom Samaritano, que está sob a supervisão do Pr. Jonathan Joseph, missionário da terra da JMM.

Sei que o trabalho missionário foi pequeno perante os desafios do Haiti, mas para estas crianças que assistimos fez a diferença! Elas tiveram a oportunidade de conhecer Cristo, e espero em Deus ter novas oportunidades para o trabalho missionário.

Retornei ao Brasil no dia 1 de setembro de 2011, tendo a certeza que ‘combati o bom combate e guardei a fé’.

Agradeço aos amados irmãos da JMM pela consideração, e peço que permaneçam orando, intercedendo por nós para termos as portas sempre abertas para falar de Cristo.”

FUMIN aprova doação para projeto da manga no Haiti em parceria com a Coca Cola

Informação FUMIN / Coca Cola - Haiti 09/06/2010
Comunicados de imprensa
09/06/2010

O projeto executado pela organização sem fins lucrativos TechnoServe espera beneficiar 25.000 agricultores, aumentando sua produção e rendaO Fundo Multilateral de Investimentos (Fumin) do Banco Interamericano de Desenvolvimento aprovou uma doação de US$ 3 milhões para um projeto em parceria com a The Coca Cola Company destinado a aumentar a renda e a produção agrícola de 25.000 produtores de manga no Haiti.

A Coca Cola, a maior fabricante de bebidas não-alcoolicas do mundo, fornecerá US$ 3,5 milhões para o projeto, incluindo todos os lucros das vendas da bebida Odwalla Haiti Hope Mango Lime-Aid. O projeto será executado pela TechnoServe, uma organização norte-americana sem fins lucrativos com ampla experiência em promoção do agronegócio em países em desenvolvimento.

O Haiti produz mangas de alta qualidade, mas apenas uma pequena fração de sua produção é exportada. Devido a uma combinação de métodos ruins de manuseio pós-colheita e estradas rurais em más condições, a maior parte das frutas colhidas chega muito danificada às instalações de embalagem nas proximidades de Porto Príncipe.

O projeto financiado pelo Fumin e pela The Coca-Cola Company trabalhará com plantadores que cultivam pequenos lotes de terra e possuem apenas algumas mangueiras. Muitos desses agricultores ganham menos de US$ 1.000 por ano.

Os agricultores participantes do projeto serão instruídos sobre como melhorar o rendimento das árvores e diversificar sua produção, reduzindo sua dependência de um único cultivo e aumentando a segurança alimentar de suas famílias. Também receberão capacitação em como manusear as mangas depois da colheita para reduzir os danos e a porcentagem de rejeição das frutas.

O projeto proporcionará assistência aos produtores de manga para que eles criem ou fortaleçam associações de plantadores, com o objetivo de ajudar a aumentar seu poder de negociação e habilidades comerciais.

Isso possibilitará que os agricultores negociem diretamente com exportadores e processadores de frutas em vez de vender sua produção para intermediários.

Além disso, o projeto apoiará iniciativas de investidores locais para estabelecer unidades de processamento a fim de transformar mangas não adequadas para exportação em produtos derivados, como fruta desidratada ou suco de fruta. Apesar de sua produção considerável, o Haiti importa suco de manga. Com sua experiência em produção de sucos e desenvolvimento de mercado, a Coca Cola fornecerá orientação ao longo de todo esse processo.

Por meio de um sistema de monitoração e avaliação, o projeto gerará um conjunto de conhecimentos sobre melhoria da cadeia de valor da manga que poderá ser compartilhado com outros produtores agrícolas e transferido para o Ministério da Agricultura e para a Faculdade de Agronomia do Haiti. Todas as atividades do projeto serão realizadas em estreita cooperação com as autoridades haitianas.

O projeto da manga fará uso de lições aprendidas em outros projetos de cadeias de valor rurais financiados pelo Fumin, um fundo autônomo administrado pelo BID que promove o desenvolvimento do setor privado na América Latina e no Caribe, centrando-se em micro e pequenas empresas.


terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Brasil-Haiti: 3,9 mil haitianos terão formação na área da saúde

PNUD Brasil

Projeto de cooperação prevê bolsa de incentivo para capacitação de técnicos locais que irão atuar em centros de saúde do país


O Haiti ganhará em breve uma ferramenta importante para o combate às deficiências na área da saúde, agravadas pelo terremoto que atingiu o país em 2010. Está em discussão, no âmbito do projeto de cooperação entre Brasil, Cuba e Haiti, a implantação de uma Escola Técnica de Saúde que formará técnicos locais para atuar nas redes pública e privada do país, ambas carentes de profissionais qualificados.

A ação prevê a formação de 3,9 mil haitianos. Eles receberão uma bolsa de estudo individual no valor de US$ 150 (cerca de R$ 250, pela cotação atual) por mês para incentivar a adesão e permanência no curso. Os recursos serão desembolsados pelo governo brasileiro ao Ministério da Saúde de Porto Príncipe por meio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Já a expertise técnica será oferecida de forma compartilhada entre brasileiros e cubanos.

“O Haiti sofre com a falta de agentes públicos de saúde, e esta iniciativa visa prover um contingente de pessoas qualificadas para operar as novas unidades de saúde do país”, explica Joaquim Fernandes, Oficial de Programa do PNUD. Ele acrescenta que os técnicos que não forem aproveitados na rede pública serão deslocados para a iniciativa privada.

O projeto também contempla a formação de agentes comunitários, baseado na experiência brasileira desenvolvida nesta área. Com isso, a expectativa é poder estender o atendimento de saúde aos locais mais remotos do país. “Em princípio, a idéia é cobrir a região de Porto Príncipe, em especial as comunidades de Bon Repos, Carrefour e Beudet. Após o término do projeto, a expectativa é que o governo haitiano assuma outras regiões”, destaca Fernandes.

Dez meses após a ocorrência do terremoto, o Haiti foi atingido por uma epidemia de cólera caracterizada como um dos maiores surtos da doença a atingir um único país na história moderna. A partir de meados de dezembro do ano passado, foram reportados mais de 520 mil casos e cerca de 7.000 mortes. Segundo estimativas da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), aproximadamente 200 novos casos de cólera por dia são registrados.

Além das ações de capacitação, a cooperação firmada entre os três países e implementada pelo PNUD Brasil prevê a construção de Hospitais Comunitários de Referência (HCR) e reformas de unidades de saúde. Já foram feitos estudos topográficos, geotécnicos e de impacto sócio-ambiental e também nivelamento e preenchimento do terreno em duas áreas onde serão construídos os hospitais (Bon Repos e Beudet). A reforma de um laboratório de órtese e prótese está prevista para ser concluída em junho. No total, o governo brasileiro, através do Ministério da Saúde e com apoio do PNUD Brasil, vai investir cerca de R$ 100 milhões no projeto.

Presidenta Dilma visita tropas da ONU

Em visita a Porto Príncipe nesta quarta-feira (2), a presidenta Dilma Rousseff foi apresentada ao contingente brasileiro da MINUSTAH - Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti. No discurso aos militares brasileiros que atuam na força de paz das Nações Unidas no país, a presidenta ressaltou o serviço inestimável à estabilidade e à segurança do Haiti e lembrou as vítimas do terremoto de janeiro de 2010.

“Estou certa de que o trabalho do atual contingente se beneficia muito da dedicação, da coragem e do patriotismo dos milhares de militares que os antecederam”, disse a presidenta. “O Brasil é grato a todos eles e lembra com pesar, com orgulho e com especial apreço dos militares e civis que perderam suas vidas no Haiti, inclusive no trágico terremoto de 2010. A eles, nossas homenagens.”

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Projeto reúne jovens voluntários para ajudar haitianos em Manaus

Acritica.com - Manaus - Amazonas

Iniciativa de grupo de amigos conta com a ajuda de diversos parceiros como igrejas católicas, evangélicas e representantes da Sociedade Civil Organizada

Manaus, 29 de Janeiro de 2012

CASSANDRA CASTRO

Haitianos recebem ajuda de grupo de voluntários em Manaus (Euzivaldo Queiroz )

Em meio à chegada de imigrantes haitianos a Manaus, começam a surgir algumas iniciativas de ajuda da Sociedade Civil Organizada aos refugiados. Uma delas é o projeto “Ama Haiti” que reúne jovens voluntários em uma sede localizada no bairro Parque 10, Zona Centro Sul de Manaus. Neste fim de semana (28 e 29/01), o grupo realizou uma ação social para arrecadação de donativos. O coordenador do projeto, Stênio Maciel diz que toda ajuda é bem vinda, mas que a adesão de mais pessoas para trabalharem como voluntárias é fundamental.

A ideia do projeto surgiu em setembro último, quando Stênio e mais alguns amigos viram a situação dos haitianos que chegavam a Manaus e resolveram ajudar. Hoje, eles abrigam cerca de 100 imigrantes e já se prepararam para receber mais gente. “A paróquia de São Geraldo é referência para eles, é um ponto de encontro para quem chega a Manaus”, conta Stênio. A sede do projeto funciona em uma casa de três andares que estava desativada“. Conheci a dona do imóvel em uma das minhas saídas e falei para ela do projeto. Ela se sensibilizou e perguntou se queríamos utilizar a casa”, lembra o coordenador do Ama Haiti.

Agora, o grupo prepara outro local para receber os haitianos, um galpão de 600 m², também doado por um gesto de solidariedade de um empresário. A expectativa é que no novo espaço sejam abrigadas 400 pessoas. Stênio conta que a ação realizada neste fim de semana não arrecadou donativos em grande quantidade, mas enfatizou que a intenção é despertar nas pessoas a vontade de ajudar. Atualmente, cerca de 10 pessoas trabalham mais diretamente no projeto. “ Aqui na nossa sede, nós damos aulas de português, falamos sobre as leis trabalhistas e encaminhamos os haitianos a empregos, e temos um banco de dados que facilita na hora de conseguir trabalho para estas pessoas”, afirma Stênio.

A sede do projeto Ama Haiti fica na rua F, 202, Conjunto Shangri-lá I.