sexta-feira, 14 de outubro de 2011

ONU ordena retirada de 2.750 capacetes azuis do Haiti



AFP – Há 4 horas

NOVA YORK — O Conselho de Segurança da ONU determinou esta sexta-feira a retirada de 2.750 capacetes azuis da Missão de Estabilização no Haiti (Minustah) para que se aproxime dos níveis de antes do terremoto de janeiro de 2010.

Desta forma, ficarão no Haiti pouco mais de 10.500 homens (7.340 soldados e 3.241 policiais), frente aos 9.000 que a força tinha antes do sismo.

A ONU considera possível reduzir os efetivos da Minustah graças à apaziguada situação política no país, que tem um novo presidente e um novo premier após vários meses de instabilidade.

A retirada, que será realizada no transcurso dos próximos 12 meses, foi aprovada por unanimidade pelos 15 países-membros do Conselho de Segurança.

As tropas a deixar o país serão do campo de segurança. Agora será dada prioridade aos trabalhos de engenharia e limpeza.

Segundo informações divulgadas pelas Nações Unidas esta semana, até agora foram retirados cerca de 40% dos 10 milhões de metros cúbicos dos destroços provocados pelo terremoto.

Mobilizada desde junho de 2004 e comandada pelo Brasil, a missão da ONU conta com efetivos provenientes de 18 países, principalmente latino-americanos.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, havia confirmado em 19 de setembro, durante encontro com o presidente haitiano, Michel Martelly, sua intenção de reduzir o contingente da Minustah aos níveis anteriores ao terremoto.

Acusada por vários epidemiologistas de ter levado ao Haiti o vírus da cólera, responsável por uma epidemia que deixou mais de 5.500 mortos no país, a missão está há algumas semanas no centro de um escândalo a partir da divulgação, na internet, de imagens em que capacetes azuis uruguaios aparecem supostamente abusando de um jovem haitiano de 18 anos.

Em sua resolução, o Conselho de Segurança enalteceu os esforços da missão e prestou tributo ao pessoal da ONU que morreu no terremoto.

Mas também pediu ao secretário-geral "que continue a tomar as medidas necessárias para garantir o compromisso total de todo o pessoal da Minustah à política de tolerância zero das Nações Unidas sobre exploração e abuso sexual".

O Conselho alertou os países que contribuem com tropas que estes precisam "garantir que os atores envolvendo seu pessoal sejam adequadamente investigados e punidos".

O número de capacetes azuis deslocados no mundo chega atualmente ao nível recorde de 120.000.

O novo chefe de operações da manutenção da paz da ONU, Hervé Ladsous, considerou na quinta-feira que falta "reduzir (os efetivos) onde for possível".
Postar um comentário