quinta-feira, 19 de maio de 2011

Haiti tenta superar marcas do terremoto de 2010

Um ano após a tragédia, o repórter Régis Rösing foi ao país mais pobre das Américas para registrar como o esporte transforma a vida das pessoas

Por SporTV.comRio de Janeiro

No ano seguinte ao terremoto que teve seu epicentro a 25 quilômetros de Porto Príncipe, capital do Haiti, o repórter Régis Rösing foi ao país para registrar como o esporte transformou a vida de pessoas que perderam familiares e tiveram seus lares destruídos pelo tremor de janeiro de 2010.

Os números da tragédia assustam. Foram mais de 316 mil mortes e cerca de 50 mil crianças órfãs. Um ano após o episódio, os haitianos estão tentando reconstruir a vida e superar as marcas da tragédia através do esporte.

Além da presença do Exército brasileiro, que foi enviado para ajudar a estabelecer a ordem e paz no local, o repórter também conta com a ajuda dos atletas Dayane Camilo, Claudinei Quirino e Luiz Lima para mostrar a história de superação da população.

Ganhadora da medalha de ouro nos Pan-Americanos de Winipeg-99 e de Santo Domingo-2003, a ginasta Dayane Camilo se apresentou para as crianças e promoveu uma aula ao livre.

- Foi a maior felicidade que já tive. Maior do que treinar e ganhar uma medalha. Com tanta desgraça no país, não tem coisa melhor do que vê-los feliz, batendo palmas e cantando - contou, emocionada.

Já Claudinei Quirino, medalhista de prata nas Olimpíadas de Sidney-2000, percorreu locais devastados pelo terremoto durante uma corrida de seis quilômetros promovida pelos militares brasileiros e encontrou crianças que participaram do evento para ganhar comida. O nadador Luiz Lima conheceram a 'Cozinha do Inferno', local conhecido por ter uma feira pública onde as pessoas trocam objetos por comida - muitas vezes estragada.

O "SporTV Repórter" 'Haiti 2011: superando as marcas do terremoto' vai ao ar neste sábado, 21 de maio, às 22h, no SporTV 2.

Postar um comentário