sábado, 16 de outubro de 2010

Associação de LGBT divulga carta a Dilma e Serra

Entidade reclama de preconceito, machismo e homofobia na campanha.
Associação destaca ações dos candidatos em defesa dos homossexuais.

Do G1, em Brasília
A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), que representa 237 organizações, divulgou nesta sexta-feira (15) uma carta aberta aos presidenciáveis Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB). A carta reclama da forma como os direitos dos homossexuais vêm sendo tratados na campanha e destacam ações de Serra e Dilma em favor da causa.
A carta começa pedindo respeito aos presidenciáveis. “Nos dirigimos a ambas as candidaturas à Presidência da República para pedir respeito: respeito à democracia, respeito à cidadania de todos e de todas, respeito à diversidade sexual, respeito à pluralidade cultural e religiosa”.
O texto critica a utilização da discussão religiosa na campanha e reclama que “preconceito, machismo e homofobia” ganhem espaço no debate eleitoral. “Nos últimos dias, temos assistido, perplexos, à instrumentalização de sentimentos religiosos e concepções moralistas na disputa eleitoral. Não é aceitável que o preconceito, o machismo e a homofobia sejam estimulados por discursos de alguns grupos fundamentalistas e ganhem espaço privilegiado em plena campanha presidencial”.
A associação destaca que o estado brasileiro é laico e destaca avanços no combate à homofobia. A entidade enfatiza que sua luta é pela união civil de pessoas do mesmo sexo e pela criminalização da discriminação.
“Queremos ter o direito à igualdade proclamada pela Constituição Federal, queremos ter nossos direitos civis, queremos o reconhecimento dos nossos direitos humanos. Nossa pauta passa, portanto, entre outras questões, pelo imediato reconhecimento da união estável entre pessoas do mesmo sexo e pela criminalização da discriminação e da violência homofóbica”, diz trecho da carta.
A entidade ressalta ações dos candidatos nos temas que interessam aos homossexuais. Sobre Serra, o texto afirma que o tucano implantou uma política progressista no combate à AIDS e destaca ações do governo Fernando Henrique Cardoso incluindo direitos dos homossexuais nos primeiros programas nacionais de direitos humanos. A associação destaca ações de Serra ainda como prefeito e governador.
Quanto a Dilma, a entidade afirma que ela “ajudou a coordenar o governo que mais fez pela população LGBT”. São destacadas ações como o programa “Brasil sem homofobia” e o “Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBT”. A associação destaca ainda que Dilma assinou como ministra da Casa Civil a convocação da 1ª Conferência LGBT do mundo.
“Portanto, candidatos, não maculem suas biografias e trajetórias. Não neguem seu passado de luta contra o obscurantismo”, diz a carta.
Algumas Considerações:
  • Será que quem escreveu esta "carta", ao menos leu a que Paulo escreveu aos Romanos?
  • Podemos esperar que os presidenciáveis, uma vez eleitos, poderão cumprir a máxima da escolha democrática pelo povo: representar os interesses e defender as escolhas da Nação pela maioria e não pela minoria?
Imagino que esta matéria pode contribuir muito para a reflexão e estímulo, principalmente, à Igreja, ou seja, às pessoas que confessam o Evangelho como sua única e suficiente regra de fé e de conduta!
Postar um comentário